Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,80
    +0,60 (+0,77%)
     
  • OURO

    1.748,50
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    16.485,74
    +324,62 (+2,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    390,16
    +1,44 (+0,37%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    27.861,58
    -166,26 (-0,59%)
     
  • NASDAQ

    11.510,75
    -14,00 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4622
    +0,0056 (+0,10%)
     

Centeno quer que BCE envie mensagem clara sobre altas de juros mais moderadas

Mario Centeno, membro do BCE

Por Sergio Goncalves e Andrei Khalip

LISBOA (Reuters) - O Banco Central Europeu deve desacelerar o ritmo dos aumentos dos juros a partir de dezembro e enviar uma mensagem clara de que altas recordes de 75 pontos-base não são a norma, já que a inflação deve atingir o pico neste trimestre, disse a autoridade do BCE Mario Centeno à Reuters.

O BCE elevou os juros em 75 pontos-base em cada uma de suas duas últimas reuniões, aumentando sua taxa de depósito em 200 pontos, de mínimas históricas para 1,5%, em apenas três meses.

“Estamos nos aproximando de níveis de juros que consideramos compatíveis com a estabilidade de preços no médio prazo, o que significa que não se pode concretizar a ideia de que altas de 75 pontos são a norma”, disse Centeno, que é presidente do Banco de Portugal.

"É importante acabar com este ciclo de aumentos de forma confiável, e mais importante do que o número (do aumento da taxa) em si é transmitir esta narrativa ao público... Estamos realmente tentando transmitir essa previsibilidade sobre o futuro e espero que a reunião de dezembro seja muito clara sobre isso."

Ele se recusou a prever se os juros subirão em 50 ou 25 pontos-base, ou se mais aumentos serão necessários no ano que vem.

A inflação na zona do euro ficou em 10,6% em outubro na base anual, mais de cinco vezes a meta de 2% do BCE, mas Centeno disse que os dados apontam para um pico da inflação neste trimestre. Ele citou estimativas do Banco Mundial de que os preços de energia, minerais, alimentos e fertilizantes cairão no próximo ano.

(Reportagem de Andrei Khalip)