Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.966,84
    -79,49 (-0,47%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Centeno diz que maior parte dos aumentos de juros pelo BCE já foi concluída

Membro do Conselho do BCE, Mario Centeno

Por Sergio Goncalves

LISBOA (Reuters) - O Banco Central Europeu já realizou grande parte dos aumentos de juros necessários para conter a inflação na zona do euro, que deve atingir o pico neste trimestre, disse a autoridade do BCE Mario Centeno, nesta quinta-feira.

Ele disse que o BCE está "comprometido em agir, dependente de dados" para reduzir o ritmo dos aumentos de preços porque a inflação alta terá "um custo de recessão maior do que o causado pelas elevações dos juros", mas alertou contra decisões precipitadas.

O BCE elevou os juros em um total de 200 pontos-base nas últimas três reuniões, e os mercados estão precificando uma série de outras medidas que levarão a taxa de depósito de 1,5% para perto de 3% em 2023.

Em entrevista ao jornal português Público, Centeno disse ser "muito difícil afirmar qual será o valor mais alto da taxa de juros" no processo de normalização monetária em curso, após um período de níveis anormalmente baixos.

"Há um entendimento (por parte do BCE) de que boa parte do esforço de política monetária que se esperava que fosse feito já aconteceu... (mas) é realmente importante que a inflação atinja seu pico", acrescentou.

Ele disse que as expectativas apontam para "a inflação atingir um pico no quarto trimestre", o que, caso se concretize, oferecerá "um grau muito significativo de previsibilidade à política monetária".

A inflação na zona do euro acelerou para 10,7% em outubro e deve ficar acima da meta de 2% do BCE até 2024.

"Não podemos nos apressar. Certamente estamos muito mais próximos da taxa neutra", disse ele mais tarde em um evento da Bloomberg nesta quinta-feira, referindo-se a uma taxa teórica alta o suficiente para conter a inflação, mas ainda moderada o suficiente para permitir que a economia cresça.

(Reportagem de Sergio Goncalves)