Mercado abrirá em 3 h 32 min
  • BOVESPA

    125.675,33
    -610,27 (-0,48%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.634,60
    +290,49 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,40
    -0,22 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.833,40
    -2,40 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    38.531,84
    -1.545,93 (-3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    916,17
    -14,19 (-1,53%)
     
  • S&P500

    4.419,15
    +18,51 (+0,42%)
     
  • DOW JONES

    35.084,53
    +153,60 (+0,44%)
     
  • FTSE

    7.026,89
    -51,53 (-0,73%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.866,25
    -171,50 (-1,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0237
    -0,0168 (-0,28%)
     

Centenas voltam às ruas de Bangcoc em protesto pró-democracia

·1 minuto de leitura
Manifestantes pró-democracia, em 24 de junho de 2021, em Bangcoc, na Tailândia

Centenas de manifestantes pró-democracia foram às ruas de Bangcoc nesta quinta-feira (24) para relembrar o aniversário da revolução de 1932 que acabou com a monarquia absoluta.

Os manifestantes, entre eles vários líderes do movimento, acusados de crime de lesa-majestade e soltos sob fiança, marchavam em direção ao Parlamento da capital tailandesa. A multidão desafiou a proibição de protestos imposta após uma nova onda de contágios por covid-19 que começou em abril.

"Nunca tivemos uma verdadeira democracia", lamentou Som, uma estudante de 16 anos.

"Não tenho medo do coronavírus (...) e o governo deve ser considerado culpado pela situação atual, porque não forneceu vacina suficiente para a população", acrescentou.

Apesar das promessas das autoridades, a vacinação avança muito lentamente. Menos de seis milhões de tailandeses receberam a primeira dose.

Outros manifestantes levavam cartazes pedindo a "abolição do 112", uma referência ao artigo do crime de lesa-majestade que pune com até 15 anos de prisão difamações, críticas e insultos ao rei e a sua família.

No auge do movimento de protesto, no ano passado, dezenas de milhares de manifestantes saíram às ruas da capital tailandesa para pedir a renúncia do primeiro-ministro Prayut Chan-O-Cha, assim como uma nova Constituição e reforma da monarquia. Até então, este tema era considerado um tabu no país, onde a família real se considera intocável.

Desde os protestos, cerca de 150 pessoas foram acusadas, a maioria por crimes de lesa-majestade.

O movimento se enfraqueceu nos últimos meses, devido à pandemia do coronavírus, mas as manifestações continuam sendo organizadas, ainda que de forma esporádica.

dhc-ton-sde/pz/pc/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos