Mercado abrirá em 1 h 44 min
  • BOVESPA

    110.334,83
    +299,66 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.784,58
    +191,67 (+0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,64
    0,00 (0,00%)
     
  • OURO

    1.725,70
    +2,70 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.841,38
    +1.622,09 (+3,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,94
    -4,71 (-0,48%)
     
  • S&P500

    3.901,82
    +90,67 (+2,38%)
     
  • DOW JONES

    31.535,51
    +603,14 (+1,95%)
     
  • FTSE

    6.626,90
    +38,37 (+0,58%)
     
  • HANG SENG

    29.095,86
    -356,71 (-1,21%)
     
  • NIKKEI

    29.408,17
    -255,33 (-0,86%)
     
  • NASDAQ

    13.234,75
    -45,00 (-0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7828
    -0,0128 (-0,19%)
     

Centenas de pessoas que quebraram na pandemia protestam na Colômbia contra confinamento

·1 minuto de leitura
Manifestantes se reúnem em Bogotá contra o confinamento

Centenas de pessoas que se declararam em quebra mobilizaram-se nesta quarta-feira nas principais cidades da Colômbia para protestar contra o novo confinamento imposto por governos locais ante o novo pico da pandemia.

Convocados por sindicatos de comerciantes, artistas e vendedores informais, os manifestantes marcharam antes do toque de reconher noturno em Bogotá, Cali e Medellín. Nessa última cidade, a polícia interveio para evitar o bloqueio de uma avenida.

Autoridades das três cidades mais populosas do país decretaram confinamentos estritos no próximo fim de semana para conter a propagação do novo coronavírus, ante a saturação dos hospitais. Mas os comerciantes alegam que ambas as medidas - toque de recolher e confinamento no fim de semana - aumentam o seu prejuízo, no momento em que ainda não há data para o início da campanha de vacinação.

Após detectar o primeiro caso do novo coronavírus, no começo de março, o governo colombiano impôs um confinamento estrito no fim daquele mesmo mês. Diante da crise econômica, a medida foi relaxada em 1º de setembro, com a aposta em uma estratégia baseada no uso generalizado da máscara e na proibição de grandes eventos. Mas o aumento sustentado do número de casos e mortos nas primeiras semanas de janeiro levou governos locais a decretarem novas interrupções nas atividades.

Com quase 2 milhões de infectados, a Colômbia é o segundo país latino com maior número de casos de Covid-19, atrás do Brasil, e terceiro em número de mortos. O governo distribuiu ajuda financeira a 20% da população. Os subsídios por lar se aproximam de 46 dólares mensais.

jss/vel/tly/lb