Mercado fechará em 2 h 18 min
  • BOVESPA

    105.614,41
    +1.148,16 (+1,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.156,68
    +229,30 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,83
    +1,33 (+2,00%)
     
  • OURO

    1.777,40
    +14,70 (+0,83%)
     
  • BTC-USD

    55.451,08
    -897,05 (-1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,97
    -31,79 (-2,20%)
     
  • S&P500

    4.525,01
    -52,09 (-1,14%)
     
  • DOW JONES

    34.475,80
    -163,99 (-0,47%)
     
  • FTSE

    7.115,87
    -13,34 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    23.766,69
    -22,24 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    28.029,57
    +276,20 (+1,00%)
     
  • NASDAQ

    15.697,25
    -291,25 (-1,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4016
    +0,0214 (+0,34%)
     

Centenas de peixes agonizam na lama de lago que secou no Pantanal; veja vídeo

·1 min de leitura

RIO — A estiagem no Pantanal sul-mato-grossense provocou a seca de um lago e deixou centenas de peixes agonizando na lama. A agonia dos animais foi registrada em vídeo pelo fotógrafo Luiz Felipe Pereira Mendes, em 24 de setembro.

O flagrante da mortandade de peixes foi feito em um lago situado na Reserva Particular do Patrimônio Natural Eliezer Batista, na Serra do Amolar. No local havia carcaças de espécies como pintados, cacharas, jaús e cascudos.

— Até chegar ao miolo onde estavam os peixes, nós andamos uns 700 metros, desde onde era a margem. No caminho havia muitas carcaças, moscas, um mau cheiro incrível, cheiro de morte. Foi uma cena triste e dolorosa — disse Mendes.

O fotógrafo participava da gravação de um documentário para a rede de televisão franco-alemã Arte.TV. Mendes foi ao Pantanal para registrar incêndios e a seca que leva às queimadas, e chegou a esse lago.

— Eu já tive contato com esse local anteriormente. Estive lá em 2018 e tenho foto da baía cheia. Mas é impactante ver agora, com a escassez de água. Os pantaneiros falam que nunca viram nada igual nos últimos 40 anos — diz Mendes.

Na altura em que as fotos foram feitas, o Pantanal enfrentava uma longa estiagem, com cerca de 70 dias sem chuvas. As temperaturas também estavam elevadas, acima de 40º.

— Na semana passada choveu um pouco e teve a tempestade de areia. Mas o lago não vai encher com chuva. Ele só vai se recuperar quando o Rio Paraguai estiver cheio e jogar água lá — afirmou o fotógrafo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos