Mercado abrirá em 1 h 12 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,45
    -1,52 (-2,11%)
     
  • OURO

    1.757,30
    +5,90 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    43.732,91
    -3.865,48 (-8,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.083,80
    -141,73 (-11,56%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.836,41
    -127,23 (-1,83%)
     
  • HANG SENG

    24.099,14
    -821,62 (-3,30%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.112,50
    -213,50 (-1,39%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1857
    -0,0137 (-0,22%)
     

Centenas de manifestantes pedem "liberdade para Cuba" em Washington

·1 minuto de leitura
Protesto

Centenas de pessoas se reuniram em Washington nesta segunda-feira (26) para exigir "liberdade para Cuba" e uma intervenção dos Estados Unidos após a repressão aos protestos históricos há duas semanas na ilha.

Com bandeiras cubanas e americanas, os manifestantes passaram em frente à Casa Branca e depois à embaixada cubana, gritando "Abaixo a ditadura" e "Pátria e vida", título de uma canção que se tornou um símbolo do movimento de protesto.

Os manifestantes colocaram nas portas da embaixada cartazes com a legenda "Não temos mais medo" e pedindo uma "intervenção" dos Estados Unidos.

“Pedimos ao governo Biden que intervenha militarmente porque em Cuba o exército enfrenta cidadãos que não estão armados”, disse à AFP Yamila Díaz, 34 anos, nascida na ilha.

Kat Moya, 22 anos, uma americana cujo pai fugiu de Cuba, disse que queria mostrar sua solidariedade aos cubanos: “Eles não gozam das liberdades que temos aqui, temos o direito de estar aqui (nos manifestando) enquanto eles são espancados por fazerem o mesmo lá" na ilha.

“É a primeira vez que o povo cubano está tão unido, dentro e fora de Cuba”, disse Carlos Rodríguez, de 29 anos. “Não queremos o comunismo”, acrescentou.

Na semana passada, o governo Joe Biden impôs sanções ao ministro da Defesa cubano, alegando buscar uma forma de restaurar o acesso à Internet na ilha, além de permitir que os cubano-americanos enviem dinheiro para seus familiares.

Há duas semanas, Cuba, em meio a uma grave crise econômica, registrou protestos sem precedentes contra o governo que deixaram um morto, dezenas de feridos e centenas de detidos.

led-kas/seb/yow/ll/jc

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos