Mercado fechará em 59 mins
  • BOVESPA

    111.695,56
    +2.913,41 (+2,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.354,87
    -726,46 (-1,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,81
    +0,57 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.764,70
    +9,40 (+0,54%)
     
  • BTC-USD

    16.390,54
    +164,74 (+1,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    387,09
    -1,64 (-0,42%)
     
  • S&P500

    3.951,33
    -12,61 (-0,32%)
     
  • DOW JONES

    33.786,56
    -62,90 (-0,19%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.546,00
    -70,25 (-0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4707
    -0,0785 (-1,41%)
     

Cenário mais sombrio para 2023 apagaria US$5 tri do PIB mundial

(Bloomberg) -- Foi um ano difícil para a economia global. Mas as coisas sempre podem piorar.

A história mostra que aumentos rápidos de juros pelo Federal Reserve podem muito bem levar os EUA a uma recessão em 2023. Poucos ficarão surpresos se os preços crescentes do gás natural fizerem o mesmo na Europa. E a combinação de Covid Zero e crise imobiliária ameaça paralisar a China.

Em um cenário extremo, todas essas coisas aconteceriam ao mesmo tempo. Isso eliminaria cerca de US$ 5 trilhões da economia global, em comparação com previsões mais otimistas no início deste ano, segundo a Bloomberg Economics.

O fato de que uma perspectiva tão sombria está longe de ser implausível sugere que muita coisa deu errado, e já há muitas evidências disso em 2022.

Dinheiro barato, demanda turbinada da China e geopolítica de baixo atrito — os ingredientes de décadas de crescimento estável e preços estáveis — se foram. O mundo agora enfrenta inflação em máximas de várias décadas e perdas no mercado financeiro na casa dos trilhões de dólares.

Seguem os principais riscos econômicos para o próximo ano.

O grande aperto monetário

A taxa de juros do Fed deve atingir 5% no início de 2023. O aperto monetário mais agressivo em décadas já está prejudicando a economia dos EUA e do mundo. Há mais dor pela frente.

Com os custos de empréstimos mais altos para setores sensíveis a juros, de imóveis a automóveis, a Bloomberg Economics prevê uma recessão nos EUA no segundo semestre de 2023. Mais de 2 milhões de americanos provavelmente perderão seus empregos.

Dívidas infladas

Enquanto as taxas de crescimento econômico eram maiores do que o custo do dinheiro, o endividamento público parecia barato e os países riscos abaixaram a guarda. O total devido pelos países do G7 subiu para 128% do PIB este ano, de 81% em 2007.

Agora, com a desaceleração econômica e juros em alta, o cálculo mudou – e a conta chegou. Várias grandes economias podem se encontrar em uma trajetória de dívida insustentável, a menos que façam ajustes fiscais dolorosos.

Em alguns mercados emergentes, o dilema é pior ainda. O Sri Lanka seguiu o Líbano e a Zâmbia em um default histórico. Por enquanto, pelo menos, o problema parece contido.

O modelo da Bloomberg Economics sugere que os riscos iminentes de default estão concentrados em pequenas economias que representam apenas 3% do PIB global, com os maiores países em desenvolvimento provavelmente fora de risco de uma crise de dívida.

Mercado imobiliário

Dinheiro mais caro significa aperto para os mercados imobiliários em todo o mundo. Países como Canadá e Nova Zelândia — que estão entre os mercados imobiliários mais inflados — podem se encontrar na linha de frente.

Os EUA não estão no topo do ranking de risco, mas não estão longe. Será necessária uma queda de 15% nos preços em todo o país para alinhar os pagamentos de hipotecas à renda das famílias, estima a Bloomberg Economics.

A China é problemas de todo mundo

Para a China, o cenário base é que a reabertura da economia após o Covid Zero — um processo que já começou e provavelmente ganhará impulso após o Congresso Nacional do Povo em março — compensará os problemas no setor imobiliário, e o efeito líquido será crescimento ligeiramente mais forte. A Bloomberg Economics prevê 5,7% para 2023.

Mas quando — e como — o governo encerrará o Covid Zero ainda não está claro. Os cálculos da Bloomberg Economics sugerem que a construção de imóveis precisa cair 25% para se realinhar com a oferta cada vez menor.

Além disso, a aposentadoria iminente das principais autoridades econômicas pode deixar o presidente Xi Jinping com uma equipe com pouca experiência no combate a crises.

O fracasso em ambas as frentes pode levar o crescimento chinês a 2,2%. Se o colapso imobiliário se transformar em crise financeira, até mesmo esse número será difícil de alcançar.

Uma desaceleração tão acentuada enviaria ondas de choque ao redor do mundo. O maior golpe recairia sobre os vizinhos asiáticos da China, da Coreia ao Vietnã, e grandes produtores de commodities como Austrália e Brasil.

Europa na corda bamba

A peça final do quebra-cabeça do risco global é a polarização do mundo em campos rivais, que já impôs custos altos à Europa.

O apoio à Ucrânia após a invasão russa deixou o continente com escassez de gás natural e aumento dos preços da energia. O caso base da Bloomberg Economics é que os altos custos de energia e os aumentos de juros do Banco Central Europeu levarão o bloco à recessão, com o PIB encolhendo 0,1% em 2023.

Laços globais desgastados

O impasse com a Rússia que deixou a Europa sem energia é apenas um exemplo de fratura geopolítica. As relações entre os EUA e a China também continuam a se deteriorar.

O presidente Joe Biden manteve as tarifas impostas por seu antecessor, Donald Trump, e deu um passo adiante com um embargo às vendas de semicondutores de ponta — uma medida que ameaça transformar a China em uma espécie de comunidade Amish, com seu desenvolvimento tecnológico congelado no tempo.

A decisão da Apple de iniciar a produção do iPhone 14 na Índia é um sinal de que empresas gigantes estão protegendo sua exposição ao risco geopolítico. Países como Vietnã e México se beneficiam.

--Com a colaboração de Anna Wong, Bjorn van Roye, Maeva Cousin (Economist), Ziad Daoud (Economist), Eric Zhu (Economist), Chang Shu, Scott Johnson e Jamie Rush.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.