Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.256,36
    -3.411,42 (-2,95%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.310,27
    -841,11 (-1,86%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,47
    +0,25 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.769,10
    -28,80 (-1,60%)
     
  • BTC-USD

    48.178,96
    -140,54 (-0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    962,84
    -31,82 (-3,20%)
     
  • S&P500

    3.829,34
    -96,09 (-2,45%)
     
  • DOW JONES

    31.402,01
    -559,85 (-1,75%)
     
  • FTSE

    6.651,96
    -7,01 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    30.074,17
    +355,93 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.168,27
    +496,57 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    12.788,00
    -514,00 (-3,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7358
    +0,1653 (+2,52%)
     

Cemitério vira palco para festa clandestina com 150 pessoas no interior do RS

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
O vídeo mostra carros de som e pessoas bebendo e dançando ao redor dos túmulos. (Foto: Reprodução)
O vídeo mostra carros de som e pessoas bebendo e dançando ao redor dos túmulos. (Foto: Reprodução)

A Polícia Civil investiga a realização de uma festa clandestina com cerca de 150 pessoas em um cemitério em Pelotas, no Rio Grande do Sul, a 260 km de Porto Alegre.

O evento ilegal ocorreu na noite de segunda-feira (1), no Cemitério das Folhas, e imagens divulgadas na internet mostram a aglomeração durante a pandemia da Covid-19.

O vídeo mostra carros de som com música alta e com pessoas bebendo e dançando ao redor dos “paredões de pancadão”. É possível ainda ver movimentação de pessoas perto dos túmulos.

Leia também:

A Polícia Civil do Rio Grande do Sul ainda não conseguiu identificar os responsáveis pela festa. Os realizadores, segundo a polícia, podem ser responsabilizados por descumprir o artigo 268 do Código Penal por facilitar a transmissão de doenças contagiosas.

Vizinhos informaram a polícia que a festa começou por volta da 1h da madrugada, e durou até o amanhecer. O cemitério é mantido e gerenciado por uma comunidade católica, que informou não ter tido conhecimento da festa.