Mercado abrirá em 3 h 23 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,98
    -0,30 (-0,49%)
     
  • OURO

    1.706,50
    -9,30 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    48.921,38
    -1.703,63 (-3,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,96
    -5,25 (-0,53%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.619,46
    -56,01 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.607,50
    -74,25 (-0,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

Cemig poderia buscar recursos em emissão primária, diz governo de Minas Gerais

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica estatal Cemig, controlada pelo governo de Minas Gerais, precisa de recursos para cobrir necessidades bilionárias de investimento, e uma alternativa para levantar caixa seria uma oferta primária de ações, disse o secretário-geral da administração estadual, Mateus Simões.

O governador Romeu Zema (Partido Novo) já manifestou desejo de privatizar a Cemig, mas recentemente admitiu dificuldades políticas para levar a operação adiante no curto prazo.

"Conhecendo a necessidade de investimentos que se aproximam de 15 bilhões de reais, o que o governador tem afirmado é a necessidade de garantir esse aporte, que o Estado, como controlador, não tem condições de fazer", disse o secretário Simões, em nota.

"Vender uma parte das ações do Estado não é uma solução, pois o dinheiro não iria para a Cemig. Buscar novos recursos numa emissão primária poderia ser uma solução, como vender o controle, como normalmente se cogita, também seria", acrescentou ele.

Os comentários vêm após o governador Zema ter afirmado na véspera, em entrevista ao Valor Econômico, que a empresa precisaria de 15 bilhões de reais "para colocar num ponto adequado sua infraestrutura de transmissão e distribuição".

Zema disse que, em meio ao aporte, o Estado poderia terminar com participação menor na Cemig. "É o que nós queremos. O importante é trazermos o investimento", afirmou ele ao jornal.

Uma capitalização da empresa por meio da emissão de novas ações diluiria os atuais acionistas, como o governo mineiro, caso estes não acompanhem o aporte.

Questionado pela Reuters sobre a visão do governo em relação à Cemig, o secretário-geral da administração estadual disse que o objetivo é melhorar os serviços da companhia.

"O foco do Estado, no que se refere à Cemig, é garantir que toda pessoa ou empresa, em Minas, possa ter garantido acesso a energia de qualidade, com velocidade e disponibilidade de carga", afirmou.

Procurada, a Cemig não comentou de imediato as declarações de Zema e do secretário Simões.

O governo de Minas Gerais possui participação de 17,5% na Cemig, mas controla a companhia com 50,97% das ações ordinárias, com direito a voto.

(Por Luciano Costa)