Mercado abrirá em 1 h 19 min
  • BOVESPA

    108.782,15
    -194,55 (-0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.081,33
    -587,31 (-1,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,31
    +2,07 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.769,50
    +14,20 (+0,81%)
     
  • BTC-USD

    16.501,86
    +295,75 (+1,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    389,63
    +9,34 (+2,46%)
     
  • S&P500

    3.963,94
    -62,18 (-1,54%)
     
  • DOW JONES

    33.849,46
    -497,57 (-1,45%)
     
  • FTSE

    7.531,05
    +57,03 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    18.204,68
    +906,74 (+5,24%)
     
  • NIKKEI

    28.027,84
    -134,99 (-0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.674,75
    +58,50 (+0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5709
    +0,0217 (+0,39%)
     

Cemig mantém plano de desinvestir da Taesa e quer acelerar processo em 2023

Torre de transmissão de energia

SÃO PAULO (Reuters) - A elétrica mineira Cemig continua interessada em alienar sua participação acionária na transmissora Taesa e quer acelerar esse processo no próximo ano, apesar da complexidade envolvida nesse tipo de negociação.

"Esperamos no próximo ano acelerar um pouco esse processo, mas é difícil fazer previsão agora", afirmou nesta quarta-feira o CFO da Cemig, Leonardo Magalhães, em teleconferência para comentar os resultados trimestrais.

"No caso, estamos falando de realocação de capital, a Taesa é um ativo que nós entendemos muito relevante, muito bom", acrescentou o executivo, ressaltando que a Cemig vem buscando sair de ativos não estratégicos, como participações minoritárias, para ter mais recursos para investir em seus negócios de distribuição, transmissão e geração renovável de energia.

A Taesa é uma das maiores transmissoras de energia elétrica do país, tendo seu controle dividido entre Cemig (37% das ações ON) e o grupo colombiano ISA (26%), que também controla a transmissora ISA Cteep.

A Cemig chegou a lançar em 2021 um processo competitivo para o desinvestimento na Taesa. No entanto, o plano enfrentou dificuldades, com contestação no âmbito de uma CPI que havia sido instaurada na assembleia do Estado.

Magalhães comentou ainda em teleconferência que a Cemig pretende manter sua política de distribuição de dividendos mesmo diante do baixo nível de alavancagem atual, de 0,85 vez a dívida líquida sobre Ebitda.

"A gente entende que mantendo a política de 'payout' de 50%, que está no nosso estatuto, com esse investimento importante que estamos fazendo em renováveis e também dentro da Cemig-D (distribuição) e na transmissão, a gente permite que a alavancagem fique em níveis que entendemos adequados", afirmou.

(Por Letícia Fucuchima)