Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.382,12
    -337,97 (-0,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Celulares e outros gadgets podem interferir em marca-passos; saiba como evitar

·3 minuto de leitura

Após suspeitas de interferência de celulares e smartwatches em dispositivos médicos implantados, como marca-passos e desfibriladores cardíacos, as autoridades de saúde dos Estados Unidos foram investigar a questão. Recém-divulgado, um estudo concluiu que esses dispositivos podem causar interferência magnética e, por isso, devem ser mantidos a uma distância mínima de 15 cm dos dispositivos médicos.

Os pesquisadores responsáveis pelo estudo fazem parte do Center for Devices and Radiological Health (CDRH) e estão conectados à agência federal norte-americana Food and Drug Administration (FDA). A descoberta apoia a orientação já divulgada pela própria FDA de que é necessário manter uma distância mínima entre os aparelhos eletrônicos e os dispositivos médicos implantados.

“Garantir a segurança dos dispositivos médicos de nosso país é a base de nossa missão de proteção ao consumidor, especialmente à medida que a tecnologia continua a avançar”, explicou um dos pesquisadores do estudo e membro do CDRH, Seth Seidman.

Dispositivos eletrônicos devem ficar a uma distância mínima de 15 cm de um maca-passo (Imagem: Reprodução/Blas/Envato Elements)
Dispositivos eletrônicos devem ficar a uma distância mínima de 15 cm de um maca-passo (Imagem: Reprodução/Blas/Envato Elements)

“Como parte deste trabalho, a agência revisou artigos publicados recentemente descrevendo a possibilidade de que certos telefones celulares, smartwatches e outros produtos eletrônicos com ímãs de alta intensidade de campo possam afetar, temporariamente, a operação normal de dispositivos médicos eletrônicos implantados, como marca-passos e desfibriladores implantáveis", destacou Seidman. Agora, as novas informações descobertas confirmam a relação.

Entenda o que pode acontecer com a proximidade dos dispositivos

Vale explicar que os dispositivos eletrônicos cardíacos implantados auxiliam pacientes com algum problema no coração, como frequências cardíacas lentas ou rápidas demais. Além disso, marca-passos e desfibriladores implantados têm um modo magnético.

Esta "função" é usada quando a pessoa vai realizar algum procedimento em que a interferência eletromagnética é possível ou quando a suspensão do dispositivo é necessária para outro tratamento médico. É o caso de uma ressonância magnética, por exemplo.

No entanto, esse recurso também pode ser acionado, acidentalmente, a partir de campos magnéticos fortes maiores. Nesses casos, é possível, de forma indireta, alterar a forma como o dispositivo funciona e, consequentemente, resultar em sérios danos ao paciente.

Só que, historicamente, os ímãs fortes o suficiente para acionar esse modo eram facilmente identificados, como alto-falantes estéreo ou motores eletrônicos em ferramentas sem fio. Agora, campos magnéticos fortes podem ser encontrados em fones de ouvido, fechaduras de portas e até nos pequenos alto-falantes de telefone.

Pesquisa confirma a importância do distanciamento

Para comprovar que existe possibilidade de interferência, os pesquisadores fizeram experimentos com modelos do iPhone 12 e do Apple Watch 6 a diferentes distâncias dos dispositivos. Segundo os autores do estudo, todos os dispositivos têm campos magnéticos altos o suficiente para colocar dispositivos cardíacos implantados no modo magnético. A questão é a distância necessária para isso ocorrer. Nesse sentido, 15 cm de distância são suficientes para manter a segurança.

“Por causa desses resultados, estamos tomando medidas para fornecer informações aos pacientes e profissionais de saúde para garantir que eles estejam cientes dos riscos potenciais e possam tomar medidas proativas e preventivas simples, como manter eletrônicos de consumo, como certos telefones celulares e smartwatches, a seis polegadas [cerca de 15 cm] longe de dispositivos médicos implantados”, aconselhou Seidman.

“Acreditamos que o risco para os pacientes é baixo e a agência não tem conhecimento de nenhum evento adverso associado a esse problema no momento. No entanto, espera-se que o número de eletrônicos de consumo com ímãs fortes aumente com o tempo", completa o pesquisador. Já sabendo dos potenciais riscos, agora, o FDA passará a revisar as descobertas sobre o assunto periodicamente.

Para acessar o estudo, publicado na revista científica da Heart Rhythm Society, clique aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos