Mercado fechado

Celulares da T-Mobile terão acesso direto à internet via Starlink

A SpaceX e a operadora de telefonia norte-americana T-Mobile anunciaram nesta sexta-feira (26) uma iniciativa chamada “Coverage Above and Beyond” (Cobertura acima e além, em tradução livre). Com ela, consumidores da T-Mobile terão acesso à internet via Starlink em qualquer lugar dos EUA, sem “zonas mortas”, usando os smartphones que já tem.

Segundo a T-Mobile, há vastas áreas no território norte-americano que não são servidas pelas redes de telefonia celular comuns. Nestes locais, consumidores tem que se resignar a ficar desconectados ou pagar valores exorbitantes em telefones via satélite especializados, grandes e caros.

A iniciativa da T-Mobile e da SpaceX não irá substituir as redes 4G ou 5G existentes: em vez disso, irá oferecer uma camada extra de conectividade. Inicialmente, a largura de banda será de 2 a 4 Megabits por “célula” (ou satélite), suficiente chamadas de voz, mensagens de texto e apps de bate-papo. Ou seja, você não vai poder acompanhar seu YouTuber favorito no meio de um deserto na Califórnia, mas poderá pedir ajuda se necessário.

Segundo a T-Mobile a “grande maioria” dos smartphones que já estão conectados à sua rede funcionará com o novo serviço, usando o rádio que já está no aparelho, sem a necessidade de atualizações ou compra de acessórios. A rede será transmitida pelos satélites da Starlink usando as frequências médias no espectro da operadora, e oferecerá cobertura “quase completa”, “em qualquer lugar onde o consumidor consiga ver o céu”.

Satélites da asegunda geração da Starlink serão tão grandes que terão de ser lançados pela Starship. (Imagem: Reprodução / SpaceX)
Satélites da asegunda geração da Starlink serão tão grandes que terão de ser lançados pela Starship. (Imagem: Reprodução / SpaceX)

Para a Starlink, a criação da rede exigirá uma nova geração de satélites que, segundo Elon Musk, terá antenas grandes e “extremamente avançadas”. Estes satélites “v2” serão lançados pela Starship, espaçonave da SpaceX atualmente em desenvolvimento, já que são grandes demais para os atuais foguetes Falcon 9.

Musk afirma que cada satélite tem um corpo com 7 metros de comprimento e antenas que se estendem lateralmente por cinco metros, ou seja, uma área de cerca de 25 metros quadrados. “Acreditamos que estas são as antenas mais avançadas do mundo”, disse. “Elas têm que captar um sinal muito fraco de seu celular. Imagine, esse sinal tem que viajar mais de 800 km e ser detectado por um satélite que está viajando a 28 mil km/h”.

A expectativa é que o novo serviço entre em fase de testes em algum momento do ano que vem. Preços e planos não foram divulgados.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: