Mercado abrirá em 1 h 16 min
  • BOVESPA

    119.297,13
    +485,13 (+0,41%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.503,71
    +151,51 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,14
    +0,96 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.743,50
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    64.776,41
    +2.196,57 (+3,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,77
    +104,78 (+8,10%)
     
  • S&P500

    4.141,59
    +13,60 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    33.677,27
    -68,13 (-0,20%)
     
  • FTSE

    6.913,44
    +22,95 (+0,33%)
     
  • HANG SENG

    28.900,83
    +403,58 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    29.620,99
    -130,61 (-0,44%)
     
  • NASDAQ

    14.013,50
    +37,75 (+0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8364
    +0,0052 (+0,08%)
     

Celeo Redes tem aval do Cade para comprar ativos de transmissão da Cobra Brasil

Luciano Costa
·2 minuto de leitura

Por Luciano Costa

SÃO PAULO (Reuters) - A Celeo Redes, empresa de infraestrutura controlada pelo grupo espanhol Elecnor, recebeu autorização do órgão brasileiro de defesa da concorrência para a compra de ativos de transmissão de energia da Cobra Brasil, também de origem espanhola.

O negócio envolve a aquisição de participação de 50% detida pela Cobra Brasil nas empresas de transmissão de energia Brilhante e Brilhante II, na qual a Celeo já possuía 50% das ações e passará então a ser a única sócia.

A transação foi aprovada sem restrições pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), segundo publicação no Diário Oficial da União desta segunda-feira.

"A operação representa uma oportunidade de investimento para a Celeo, com consolidação de controle sobre ativos em que já detém participação societária. Já para a Cobra Brasil, a operação teve como objetivo promover uma reorganização societária, e a empresa optou pela venda de sua participação nas empresas alvo", comentou o Cade em parecer.

A aquisição ainda terá que ser aprovada também pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

As transmissoras Brilhante e Brilhante II, envolvidas no negócio, operam linhas de transmissão no Mato Grosso do Sul. A primeira empresa tem receita anual permitida (RAP) de 47,8 milhões de reais, enquanto a segunda tem RAP de 4,56 milhões, de acordo com o parecer do Cade.

"A participação de mercado conjunta das requerentes é inferior a 10% do mercado nacional para acesso às linhas de transmissão de energia elétrica. Ademais, o acréscimo de participação de mercado ao Grupo Celeo com a aquisição do controle das empresas alvo é irrisório", apontou o órgão estatal, ao comentar que não vê riscos concorrenciais.

A Cobra do Brasil, que está vendendo os ativos, atua no desenvolvimento, construção e operação de projetos de infraestrutura e é subsidiária do grupo espanhol Cobra.