Mercado fechado

CDC estuda suspender restrições de voos do Brasil e UE para EUA

Emma Court e Alan Levin
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças estudam novas medidas que poderiam permitir a expansão das viagens após a exigência de testes de Covid-19 para pessoas em voos com destino aos EUA, disse Martin Cetron, diretor da divisão de migração global e quarentena da agência.

A suspensão das restrições para viagens de países como o Brasil e nações da União Europeia faz parte das discussões em andamento, disse Cetron em entrevista na quarta-feira. A permissão de entrada no futuro de pessoas que foram vacinadas também está em debate, disse.

“Proteger a saúde pública global e, ao mesmo tempo, minimizar a interferência nas viagens e no comércio é essencialmente nosso objetivo”, afirmou. “Essa ordem de teste é realmente um reconhecimento e mais um passo nessa direção.”

O debate da agência coincide com os trabalhos para implementar as novas regras, que entram em vigor em 26 de janeiro, após a posse do presidente eleito Joe Biden. A proibição de viagens com origem na Europa e no Brasil foi decretada no ano passado, no início da pandemia, e não mudou muito desde então, disse Cetron. Embora a prioridade seja promover a saúde pública, o CDC também está ciente dos danos econômicos das proibições às viagens, disse.

Sem precedentes

Após proclamação presidencial em 11 de março, o Departamento de Segurança Interna proibiu a entrada da maioria de cidadãos não americanos de 28 países europeus, China e Irã. O Brasil foi incluído em maio.

Robert Redfield, diretor do CDC, instou a Casa Branca a suspender pelo menos algumas das proibições, disse uma pessoa a par das discussões. O CDC, o Departamento de Segurança Interna e a Casa Branca não responderam de imediato a pedidos de comentários sobre o status da proibição.

Companhias aéreas, desesperadas para reativar a demanda após o colapso sem precedentes das viagens aéreas, se opuseram às restrições para a Europa e têm esperança de que sejam eliminadas com o novo regime de testes, disse a fonte. Operadoras argumentaram que, mesmo que mais pessoas cheguem aos EUA de países onde o coronavírus também é comum, a realização de testes diminuirá o risco geral.

De acordo com as novas regras, passageiros terão que fazer um teste no período de três dias antes de voar para os Estados Unidos e fornecer documentação escrita do resultado negativo. Companhias aéreas devem confirmar as informações antes de permitir o embarque dos passageiros, disse o CDC na terça-feira.

Uma questão potencialmente problemática para companhias aéreas é o que acontecerá nas rotas para a América Latina e o Caribe se os países não tiverem capacidade de teste suficiente para atender às regras do CDC. Companhias aéreas dos EUA têm registrado tráfego relativamente forte de ida e volta para o México, por exemplo.

Viagens domésticas

A chave para o CDC é “encontrar o nível certo de proteções individualizadas que mantenham pessoas infectadas com o vírus que nem sabem que estão infectadas ou com o vírus incubado fora do setor de transporte para manter todos seguros no processo”, Cetron disse. “Isso faz parte das discussões ativas, cujo momento será decidido à medida que avançarmos com esta implementação.”

As novas regras não se aplicam a viagens domésticas. Os EUA enfrentam o maior pico do surto de coronavírus, com quase 23 milhões de casos confirmados de Covid-19 e mais de 382 mil mortes. Casos de uma variante do coronavírus considerada mais contagiosa que alarmou o Reino Unido também foram identificados nos EUA.

Questionado sobre a falta de exigência de testes para quem voa no mercado interno, Cetron destacou que o CDC já recomenda evitar viagens não essenciais, sejam nacionais ou internacionais, durante os picos. A agência também tem diretrizes sobre como minimizar riscos para quem viaja.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.