Mercado abrirá em 3 h 59 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,10
    -0,32 (-0,38%)
     
  • OURO

    1.783,70
    -1,20 (-0,07%)
     
  • BTC-USD

    65.105,08
    +1.080,81 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.535,04
    +54,23 (+3,66%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.202,25
    -20,85 (-0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.976,99
    -159,03 (-0,61%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.347,00
    -30,50 (-0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

CCJ do Senado aprova a PEC da Reforma Eleitoral e, contrariando a Câmara, veta retorno das coligações

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA - A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou nesta quarta-feira a PEC da Reforma Eleitoral. O colegiado decidiu acompanhar a relatora da proposta de emenda à Constituição, senadora Simone Tebet (MDB-MS), e rejeitou a volta das coligações. Como O GLOBO antecipou, Simone Tebet se manifestou em seu parecer contra a volta das coligações, que, segundo ela, gerariam "distorsão do sistema proporcional, fragmentação partidária e falsificação do voto do eleitor".

A formação de coligações permite, no pleito eleitoral, a união de partidos, muitas vezes sem a mesma ideologia partidária. O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) afirmou que, em uma cidade de Goiás, o PCdoB se coligou com o DEM nas eleições municipais do ano passado, o que faria com que "o eleitor votasse em um liberal e elegesse um comunista e vice-versa".

O parecer de Simone na CCJ e aprovado pelo colegiado, contudo, confirma outros pontos do texto elaborado pela Câmara, como mudança na data da posse de prefeitos, governadores e presidente a partir de 2026 e contagem dobrada aos votos dados a candidatas mulheres e candidatos negros, à Câmara dos Deputados, para fins de distribuição dos fundos partidário e eleitoral às siglas até 2030. Na Câmara, o texto foi relatado pela deputada Renata Abreu (Podemos-SP).

O texto deverá ser votado ainda nesta quarta-feira pelo plenário do Senado. Por se tratar de uma alteração na Constituição, a proposta precisa ser aprovada em dois turnos por, pelo menos, 49 senadores.

A vedação das coligações foi aprovada em 2017 pelo Congresso e passou a valer apenas em 2020, na eleição para vereadores. Em 2022, portanto, será a primeira vez que o novo modelo valerá para eleger deputados federais e estaduais.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos