Mercado fechará em 6 h 59 min
  • BOVESPA

    114.428,18
    -219,81 (-0,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.686,03
    -112,35 (-0,21%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,34
    +0,90 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.781,50
    +15,80 (+0,89%)
     
  • BTC-USD

    62.136,02
    +1.205,98 (+1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.451,32
    -0,32 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.486,46
    +15,09 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    35.258,61
    -36,15 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.206,26
    +2,43 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    25.787,21
    +377,46 (+1,49%)
     
  • NIKKEI

    29.215,52
    +190,06 (+0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.354,75
    +64,25 (+0,42%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4170
    +0,0255 (+0,40%)
     

CCJ da Câmara aprova PEC que parcela precatórios e abre caminho para Bolsa Família turbinado

·5 minuto de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 19-03-2020: Still objetos. Cartão Bolsa Família. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 19-03-2020: Still objetos. Cartão Bolsa Família. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (16) a proposta do governo que parcela dívidas da União reconhecidas pela Justiça (precatórios). O objetivo do texto é abrir espaço no Orçamento de 2022 para outras despesas, como a expansão do Bolsa Família.

O parecer pela admissibilidade da PEC (proposta de emenda à Constituição) recebeu 32 votos favoráveis e 26 contrários. A proposta agora segue para uma comissão especial da Câmara, que discutirá possíveis ajustes no texto.

O avanço foi observado mesmo com vários discursos contrários por parte da oposição, que chamou a PEC de tentativa de calote e a comparou a uma pedalada no teto de gastos (norma constitucional que impede despesas federais de subirem mais do que a inflação).

A PEC abre um espaço de R$ 33,5 bilhões no Orçamento de 2022. Sem uma flexibilização, a conta das sentenças judiciais será de R$ 89,1 bilhões no ano que vem -o que dificulta acomodar despesas no Orçamento e força o governo a buscar outras saídas.

O relator, deputado Darci de Matos (PSD-SC), defendeu que a PEC não fere a Constituição. "A narrativa que o parcelamento é um calote não procede", afirmou.

Um dos principais argumentos do relator é que a Constituição já prevê um mecanismo de parcelamento. A regra só permite a flexibilização do precatório que supere 15% do total devido, o que na prática é inócuo diante da dificuldade de o número ser alcançado.

Além do próprio relator, um dos únicos a defender a PEC no momento das discussões foi o deputado Capitão Alberto Neto (Republicanos-AM). "Vai sair de onde esse dinheiro [para os precatórios]? Vai pegar um empréstimo e pagar juros? Vai tirar da saúde, da infraestrutura, do social?", questionou.

"Precisamos baixar a guarda. O presidente recuou, fez um gesto grande de distensionamento com o STF [Supremo Tribunal Federal). É pelo bem da nação", disse Neto.

A oposição dominou os discursos deslocando uma série de lideranças para criticar a proposta, o que postergou a decisão ao longo do dia. Elas defenderam que a matéria é inconstitucional, dribla o teto de gastos e fere até mesmo garantias fundamentais da população frente ao Estado.

O deputado Rui Falcão (PT-SP) afirmou que haverá judicialização em massa e que o governo tenta fingir que cumprirá o teto de gastos. "Há uma saída, que o governo quer evitar, que é pagar rompendo o teto", afirmou.

"[Mas] o teto é a Bíblia, é o dogma, então vamos romper o teto fingindo que não estamos rompendo o teto", criticou Falcão. "Como o sagrado mercado diz que não se pode romper o teto, vamos fingir, vamos fabular que estamos no estrito cumprimento legal da emenda 95 [que criou o teto]", disse.

A deputada Maria do Rosário (PT-RS) afirmou que precatório é matéria julgada, sobre a qual não cabe discussão. "O Poder Judiciário toma a decisão de que há uma dívida, e o Legislativo vai autorizar e dizer que é constitucional o governo não cumprir o que foi determinado pelo Judiciário? O governo procura legalizar um calote", afirmou Rosário.

Também criticaram a PEC deputados como Gleisi Hofmann (PT-PR), Alessandro Molon (PSB-RJ), Kim Kataguiri (DEM-SP) e Orlando Silva (PCdoB-SP).

O governo chegou a citar nos últimos dias receios com o prosseguimento da PEC no Congresso. Articuladores citam o fato de PECs demandarem apoio de três quintos dos parlamentares (ou seja, de 49 senadores e 308 deputados).

A última de interesse do Executivo votada no Congresso, a do voto impresso, foi barrada na Câmara por obter 79 votos aquém do necessário --mesmo sendo defendida pessoalmente por Bolsonaro.

Diante das resistências, uma nova PEC passou a ser sugerida pelo vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM). A ideia é tirar precatórios do teto de gastos, mas o Ministério da Economia resiste à solução.

Paralelamente, o governo passou a buscar uma saída via Judiciário para flexibilizar os pagamentos. Mas a saída não era um consenso na Corte antes e ficou ainda mais prejudicada pelas ameaças de Bolsonaro ao STF no 7 de Setembro. Interlocutores do Judiciário intensificaram o discurso de que o caminho não deve ser dado pelo Tribunal.

A posição foi reforçada pelo ministro Gilmar Mendes, do STF, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo. "Não me parece que sejamos nós o 'locus' desse tipo de questão, de maneira inicial", afirmou, dizendo que a Corte deve analisar o assunto posteriormente no caso de um questionamento sobre a solução encontrada.

Guedes confirmou a interferência do 7 de setembro nas negociações. "Eles [STF] estavam nos ajudando, quando veio esse barulho [ameaças de Bolsonaro]. E agora estamos de volta ao mesmo lugar de antes", afirmou Guedes na sexta-feira (10) a investidores.

*

ENTENDA A PEC DOS PRECATÓRIOS

- R$ 89,1 bi

É o total a ser pago com sentenças judiciais em 2022, se não houver PEC ou outro tipo de flexibilização

- R$ 33,5 bi

É a estimativa de economia com a PEC em 2022

Regras da PEC:

- Parcela em até dez anos o precatório superior a R$ 66 milhões;

- Parcela em até dez anos os precatórios que, em ordem decrescente, fizerem a soma dos valores superarem 2,6% da receita corrente líquida do governo;

- Todo precatório abaixo de R$ 66 mil fica fora do parcelamento;

PEC também prevê novo fundo da União, voltado à liquidação de passivos

​​Origem dos recursos do fundo:

- Venda de imóveis da União;

- Venda de participação societária de empresas;

- Dividendos recebidos de estatais (menos as despesas de estatais dependentes);

- Outorga de concessões e de delegações de serviços públicos;

- Antecipação de valores do excedente de óleo em contratos de partilha de petróleo;

- Arrecadação gerada pela redução de benefícios tributários (no primeiro ano);

Destinação dos recursos do fundo:

- Pagamento da dívida pública;

- Pagamento de precatórios que seriam parcelados.

Fonte: Ministério da Economia

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos