Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    44.850,61
    -2.539,27 (-5,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

CBO planeja retomar projeto de IPO e vê boas perspectivas com serviços offshore

Marta Nogueira
·3 minuto de leitura
Plataforma de petróleo na Baía de Guanabara, em Niterói (RJ)

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A empresa de apoio marítimo CBO planeja retomar em breve conversas com investidores para realizar uma oferta pública inicial de ações (IPO), enquanto vê melhora de condições de mercado e boas perspectivas para o seu crescimento nos próximos anos, disseram executivos à Reuters.

Detida atualmente pelos fundos de private equity Vinci Partners e Pátria, e pelo BNDESpar, o Grupo CBO poderá utilizar recursos captados no mercado para acelerar seu crescimento, na esteira do aumento da produção de petróleo nos próximos anos, principalmente a partir do pré-sal.

A companhia tem hoje uma frota de 33 navios de apoio e tem expectativas de vencer novos contratos e agregar de 15 a 20 novas embarcações nos próximos dois anos.

Rafael Kirsten, diretor de Relações com Investidores, afirmou à Reuters que as preparações para a realização de um IPO foram paralisadas no ano passado, principalmente devido à incertezas ligadas às eleições nos Estados Unidos e à pandemia de Covid-19.

"Hoje está muito melhor, a situação já é muito mais interessante... Muito em breve estaremos de volta ao processo de listagem", afirmou Kirsten, em uma entrevista por videoconferência.

O executivo evitou dar mais detalhes sobre o possível IPO, mas frisou que a empresa já vive o que considera ser seu terceiro ciclo de crescimento e mira novos contratos.

Em 2020, mesmo em meio à pandemia, o Grupo CBO registrou receita líquida de 253,6 milhões de dólares e lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado de 172 milhões de dólares.

Ambos os indicadores, entretanto, apresentaram queda de quase 10% ante o ano anterior, com impactos de menores taxas de ocupação da frota, que foram minimizadas por um melhor desempenho operacional, uma vez que a empresa registrou seu menor indicador de "downtime" da história, que mede o tempo de indisponibilidade de seus serviços.

"Foi o melhor ano operacional", disse o presidente da CBO, Marcos Tinti, que também participou da entrevista.

NOVOS NEGÓCIOS

Do início do ano passado até agora, a CBO conquistou 16 novos contratos, incluindo um de logística integrada com a Petrobras, que prevê a gestão e operacionalização de toda a cadeia de suprimentos para unidades marítimas, em um modelo de serviços inovador no Brasil.

O contrato com a sua principal cliente veio após a empresa, fundada em 1978, ter deixado em 2020 de priorizar construção naval. A nova função na área de logística complementa os negócios de afretamento de embarcações de apoio marítimo, segundo Kirsten.

Para frente, a empresa vê boas perspectivas no setor de petróleo, com o avanço de grandes petroleira privadas como Exxon Mobil e Shell no Brasil, além do foco total da Petrobras no desenvolvimento de promissoras áreas do pré-sal.

"O mercado está às vésperas de grande crescimento", afirmou Kirsten. "Não há outro lugar no mundo para se estar no offshore."

Para ilustrar, o diretor ressaltou que a empresa mapeou oportunidades de mais de 60 novos contratos no mercado para embarcações no início deste ano, contra cerca de 25 há seis meses.

O Brasil tem hoje os dois maiores campos produtores de petróleo e gás em águas profundas e ultraprofundas do mundo, que são Tupi e Búzios, ambos no pré-sal da Bacia de Santos, operados pela Petrobras, segundo levantamento feito pela ferramenta Lens da Wood Mackenzie para a Reuters.

Búzios, que deve exigir mais unidades de apoio com o aumento da produção, e outros ainda em exploração na região do pré-sal deverão impulsionar a demanda por navios de apoio nos próximos anos, na avaliação da companhia.

(Por Marta Nogueira)