Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    41.711,54
    -232,51 (-0,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

CBF demite secretário-geral Walter Feldman

·2 minuto de leitura

O presidente interino da CBF, Coronel Antônio Carlos Nunes, demitiu o secretário-geral Walter Feldman, que havia voltado ao cargo após o afastamento do presidente Rogério Caboclo, acusado de assédio por uma funcionária. Edu Zebini assume o posto.

Feldman tinha papel decisivo nos bastidores da sucessão e na Copa América no Brasil. Foi ele, inclusive, que articulou diretamente com o governo federal as tratativas para confirmar o torneio no país quando ainda não havia o aval público do presidente Jair Bolsonaro.

Feldman foi o alvo do último ato de Caboclo na CBF. Mesmo já estando afastando, ele assinou um documento com data retroativa o demitindo do cargo. A portaria foi desfeita por Coronel Nunes, com quem Feldman tem ótima relação.

O secretário-geral, que é o segundo cargo mais importante da CBF, chegou ao posto em 2015 a convite de Marco Polo Del Nero, de quem se tornou braço-direito.

Embora negue, Feldman era um dos fiadores da campanha de Castellar Guimarães Neto à presidência da CBF, que também tem ligações com o ex-presidente da CBF, hoje banido do futebol pela Fifa.

Com o afastamento de Rogério Caboclo da presência da CBF, principal fiador da vinda da Copa América para o Brasil, caberá a Fernando Sarney, um dos vices, ser o rosto político da confederação que atuará nos bastidores da competição. Filho do ex-presidente José Sarney, Fernando é a escolha natural já que é o representante da Conmebol na Fifa. Ele foi eleito em 2018 por unanimidade.

A função deveria ser exercida por Coronel Nunes, presidente interino. Porém, não é novidade que ele não dá as cartas na CBF. Ele só assumiu o posto por uma determinação do regimento interno, que exige que o cargo seja ocupado pelo vice-presidente mais velho da entidade.

Nunes ocupará a cadeira mais poderosa do futebol brasileiro até que acabe o afastamento de Rogério Caboclo, no dia 6 de julho, ou caso ele seja deposto em definitivo do cargo, até que o novo presidente assuma. Sua obrigação é convocar eleição em até 30 dias, a partir da confirmação que o cargo está vago.

No entanto, o fato de Sarney ter ligação com a Conmebol não quer dizer que suas decisões serão seguidas à risca por Nunes. E mesmo que ainda não tenha sido confirmado que Caboclo será mesmo afastado definitivamente, as articulações para sua sucessão já estão acontecendo – e dará as cartas aquele que tiver mais influência sobre o interino.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos