Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,40
    -1,85 (-2,49%)
     
  • OURO

    1.799,00
    +16,60 (+0,93%)
     
  • BTC-USD

    16.847,96
    -148,25 (-0,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    394,86
    -7,18 (-1,79%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.489,19
    -32,20 (-0,43%)
     
  • HANG SENG

    18.814,82
    -626,36 (-3,22%)
     
  • NIKKEI

    27.686,40
    -199,47 (-0,72%)
     
  • NASDAQ

    11.498,75
    -67,25 (-0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4669
    -0,0118 (-0,22%)
     

CBF cancela patrocínio de corretora de criptomoedas após levar calote

Treino da Seleção Brasileira no centro de treinamento em Doha. Tite. Lucas Figueiredo/CBF
Treino da Seleção Brasileira no centro de treinamento em Doha. Tite. Lucas Figueiredo/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) restringiu o patrocínio de uma corretora de criptomoedas suspeita de fraude durante a Copa 2022. No ano passado, a Bitci se aproximou pela primeira vez do Brasil, embora não fosse uma plataforma conhecida.

De origem turca, o contrato com a CBF previa várias novidades para a seleção brasileira, inclusive a venda de NFTs.

Na ocasião, a própria CBF anunciou em sua página que a corretora criaria a criptomoeda oficial da seleção brasileira.

O então presidente em exercício da CBF, Antônio Carlos Nunes, declarou que "junto com a Bitci, temos a oportunidade de alavancar a interação com os fãs da Seleção Brasileira em todo o mundo. Iremos conectar a paixão pela seleção nacional mais popular do planeta com experiências, conteúdo e benefícios".

A seleção brasileira se prepara sob o comando de Tite para a estreia na Copa do Mundo no Catar na próxima quinta-feira (24). Durante a partida, é possível que a marca da ex-parceira já não possa mais aparecer.

CBF rescinde com corretora de criptomoedas suspeita que não vinha honrando pagamentos

De acordo com informações divulgadas pelo site Máquina do Esporte, a CBF se cansou da corretora de criptomoedas Bitci. Assim, o contrato foi rescindido e a seleção brasileira não deve mais exibir a marca em suas aparições públicas.

Em junho de 2021, o acordo previa inclusive o lançamento de NFTs envolvendo a seleção brasileira masculina, feminina, sub-15, sub-17 e sub-20.

Ou seja, a parceria era ampla e mostraria a corretora turca em todo o mundo, sendo essa a primeira empresa de criptomoedas a patrocinar a CBF.

Com os atrasos de pagamentos nos últimos meses, a CBF tentou conversar com a empresa, mas a situação não foi resolvida. Uma possível rescisão já havia sido cogitada quando Tite convocou a seleção brasileira para a Copa do Mundo, e a imagem da Bitci não foi exibida durante a coletiva.

Antes de atrasar repasses para a CBF, a Bitci atrasou pagamentos a McLaren da Fórmula 1 e dois clubes de futebol na Europa. Publicamente, a CBF não comentou sobre a rescisão.

Além da CBF, a Bitci tem como parceiros os clubes Fortaleza, Coritiba, Ceará, Sport e Vitória, todos no Brasil. Não está claro se os atrasos se estendem aos times, mas publicamente a corretora ainda não se manifestou sobre o assunto.

Fan token da seleção brasileira desaba

Após a vitória da Arábia Saudita sobre a Argentina na terça-feira (22), a criptomoeda da Seleção Brasileira se tornou a mais valorizada entre fan tokens de seleções.

Contudo, os rumores sobre a rescisão de contrato da CBF com a Bitci levou a criptomoeda BFT a cair 15% nas últimas 24 horas. Dados apurados pelo Livecoins indicam que 2.947 carteiras ainda detém a criptomoeda.

Fonte: Livecoins

Veja mais notícias sobre Bitcoin. Siga o Livecoins no Facebook, Twitter, Instagram e YouTube.