Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.818,81
    -2.079,21 (-4,63%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

CBA aposta em expansão de olho em déficit global de alumínio

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A unidade de alumínio da Votorantim aposta no déficit do metal com diversas aplicações, de latas de cerveja até peças de aviões.

A Companhia Brasileira de Alumínio planeja investir R$ 4 bilhões nos próximos cinco anos à medida que reestrutura e expande as operações, disse o diretor-presidente da empresa, Ricardo Carvalho, em entrevista. A empresa, que estreou na bolsa em julho após uma oferta de R$ 1,4 bilhão, também quer fazer negócios ao longo da cadeia de valor.

Os planos de crescimento estão alinhados com a visão da CBA de que o alumínio caminha para um déficit de oferta em meio aos esforços globais de descarbonização, que impulsionam a demanda justo quando a China impõem restrições à fundição. O metal mostra melhor desempenho do que a maioria das commodities diante das crescentes preocupações com a variante delta e acumula alta de 44% nos últimos 12 meses em Londres.

A CBA planeja modernizar usinas para reduzir as emissões e recuperar a capacidade desativada em linhas de produção de alumínio primário durante a crise energética de 2014. Para isso vai destinar R$ 900 milhões à atualização da tecnologia de salas fornos da planta localizada em Alumínio, em São Paulo. Os projetos também incluem energia renovável, eliminação de resíduos secos e produção adicional de tarugo de sucata na fábrica Metalex.

Ao mesmo tempo, a empresa busca uma parceria para desenvolver a mina de bauxita Rondon no Pará, orçada em R$ 2 bilhões. A estratégia é exportar 4,5 milhões de toneladas para posicionar a CBA como alternativa para clientes da China e do Oriente Médio que hoje são abastecidos pela Guiné.

“Estamos conversando com potenciais parceiros no Brasil e no exterior”, disse Carvalho. “Poderia ser alguém com um contrato de fornecimento de longo prazo ou um investidor com sua própria participação.”

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos