Mercado fechará em 3 h 26 min
  • BOVESPA

    111.535,89
    +863,13 (+0,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.423,22
    +20,52 (+0,04%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,47
    +0,51 (+0,61%)
     
  • OURO

    1.783,50
    +13,00 (+0,73%)
     
  • BTC-USD

    66.577,27
    +3.975,33 (+6,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.543,47
    +62,67 (+4,23%)
     
  • S&P500

    4.534,47
    +14,84 (+0,33%)
     
  • DOW JONES

    35.583,27
    +125,96 (+0,36%)
     
  • FTSE

    7.224,55
    +7,02 (+0,10%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.408,50
    +10,00 (+0,06%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4567
    -0,0395 (-0,61%)
     

CBA aponta impacto de até R$180 mi no Ebitda do 2º semestre por crise hídrica

·2 minuto de leitura

Por Marta Nogueira

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Companhia Brasileira de Alumínio (CBA) estimou impacto total da crise hídrica no segundo semestre entre 150 milhões e 180 milhões de reais no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda), informou a empresa controlada pelo conglomerado Votorantim nesta quinta-feira.

Para 2022, a companhia afirmou que tem "um excedente de lastro de energia ainda não vendido para lidar, se for o caso, com um cenário de geração hídrica tão crítico quanto 2021".

A empresa afirmou em fato relevante ao mercado que decidiu aderir ao programa governamental de redução voluntária de demanda de energia elétrica. O programa é uma das medidas em curso pelo governo para garantir o abastecimento de eletricidade do país, diante da maior crise hídrica nas hidrelétricas em mais de 90 anos.

"A participação no programa não impactará a produção de alumínio da CBA tendo em vista que a CBA realizará apenas um deslocamento da demanda do Sistema Interligado Nacional (SIN) durante as horas do dia conforme grade horária definida pelo Operador Nacional do Sistema (ONS)", disse a empresa.

A CBA informou que seu consumo de energia elétrica é mantido com geração própria 100% renovável em adição a contratos de compra de energia.

Para o segundo semestre, a companhia espera manutenção do consumo de energia na produção de alumínio em torno de 700 MW médios, o que gerou a necessidade de compra de energia elétrica pela redução de geração própria.

Até o momento, a CBA adquiriu 76 MWm por um preço médio de 418 reais/MWh e para os próximos meses espera comprar de 30 a 40 MWm, a depender dos efeitos da hidrologia crítica no GSF (risco hidrológico) e do nível dos reservatórios na produção do seu parque hidrelétrico. Esse volume ainda exposto representa cerca de 5% do consumo esperado para o período.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos