Mercado abrirá em 3 h 3 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,69
    +0,68 (+0,94%)
     
  • OURO

    1.794,40
    -3,60 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    16.836,11
    +42,36 (+0,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,47
    -6,56 (-1,63%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.491,23
    +2,04 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.529,50
    +20,00 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Catapulta espacial recebe recursos para seu primeiro lançamento

SpinLaunch: empresa quer realiza lançamentos espaciais a partir de uma catapulta mais 'tecnológica'
SpinLaunch: empresa quer realiza lançamentos espaciais a partir de uma catapulta mais 'tecnológica'
  • Empresa já tem acordo com a NASA para realização de testes;

  • SpinLaunch conseguiu R$ 370 milhões em nova rodada de financiamento;

  • Testes da catapulta até agora só foram feitos com um protótipo reduzido.

Um novo sistema inovador de lançamentos espaciais, a SpinLaunch, acabou de receber US$ 71 milhões, ou R$ 370 milhões, em uma nova rodada de financiamentos. A ideia por trás do mecanismo é bastante conhecida pelos cientistas há centenas de anos, visto que foi usada em guerras no passado.

O projeto é basicamente uma catapulta, projetada para enviar cargas úteis para o espaço a 8 mil km/h. A iniciativa, que já tem o apoio da NASA, será o primeiro sistema de lançamento cinético, isto é, através de movimento, do mundo. O objetivo é realizar o transporte de cargas para o espaço de uma maneira barata, rápida e ecológica.

O sistema da SpinLaunch funciona através de uma câmara de vácuo, onde fica a carga, acoplada a um braço giratório que gira cada vez mais rápido até alcançar a velocidade de lançamento, quando a carga é expelida por um cano em direção ao espaço.

A tecnologia foi vista com ceticismo por alguns pesquisadores, mas ela finalmente será posta a testes graças a nova rodada de financiamento, liderada pela ATW Partners, que elevou o capital da empresa para US$ 150 milhões, ou R$ 738 milhões.

A companhia já realizou testes usando um sistema de 33 metros, que ela chamou de “acelerador de massa suborbital”, conseguindo disparar uma carga a 1,6 mil quilômetros por hora, atingindo 9 mil metros de altura. O sistema já tem um acordo com a NASA para mais testes.

“Concluímos nove testes de voo bem-sucedidos até o momento, retirando o risco técnico enquanto preparamos o caminho para a construção de nosso sistema Orbital Launch em tamanho real”, disse o CEO Jonathan Yaney em comunicado. Espera-se que esse sistema em grande escala seja três vezes maior que o acelerador de massa suborbital.

A empresa disse que estava no objetivo de colocar satélites em órbita usando seu sistema até 2026. Embora todos os testes tenham sido realizados no Spaceport America, no Novo México, a empresa está em seleção final para seu primeiro local para lançamento orbital.