Mercado fechado

Catadores de materiais recicláveis coletam 1,6 vezes mais que coleta oficial

Catadores de materiais recicláveis relatam sofrer preconceito (Getty Image)
Catadores de materiais recicláveis relatam sofrer preconceito (Getty Image)
  • Catadores coletam 7,5 toneladas de material reciclável por mês;

  • Em SP, trabalhadores autônomos recolhem mais do que a coleta seletiva municipal;

  • Metade dos entrevistados disseram que já foram impedidos de entrarem em estabelecimentos.

Quando o assunto é sustentabilidade, as pessoas que realizam trabalho braçais de maneira autônoma são as que mais contribuem para o sistema de reciclagem. Atualmente, catadores autônomos coletam em média, individualmente, 7,5 toneladas de material reciclável por mês.

Os dados foram divulgados pelo Cataki, aplicativo sem fins lucrativos que une produtores de resíduos e catadores. O questionário foi respondido por profissionais de São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Na capital paulista, as 1,7 mil pessoas que usam o app recolhem 1,6 vezes mais do que a coleta seletiva municipal oficial.

A calculadora de impacto do ainda estipula que trabalho dos catadores economiza recursos naturais que seriam capazes de abastecer com energia elétrica 9,6 milhões de casas por um mês.

Apesar de ser um trabalho importante, metade dos entrevistados disseram que já foram impedidos de entrar em estabelecimentos comerciais, 67% foram vítimas de preconceito e 63% apontam terem sido vigiados de perto por seguranças. Para os que não usam a plataforma, 26% disseram já ter tido a carroça apreendida pela prefeitura.

Em um recorte racial, 72% dos catadores que usam o Cataki se identificam como negros e pardos. A maior parte dos catadores são homens.

Entre os usuários do aplicativo, 28% concluíram o ensino médio. O número cai para 15% entre os não usuários. Dos não cadastrados, 36% não terminaram o ensino fundamental 1, e 14% dos cadastrados estão nessa faixa.