Mercado fechado

Casos suspeitos de coronavírus no Brasil sobem para 433

Rafael Bitencourt

O Brasil permanece com dois casos de coronavírus confirmados em São Paulo O Ministério da Saúde informou hoje que o número de casos suspeitos de infecção pelo novo coronavírus (Covid-19) subiu de 252 para 433 casos entre ontem e hoje.

A atualização dos dados foi feita pelo Secretário de vigilância em saúde, Wanderson de Oliveira.

O Brasil permanece com dois casos de coronavírus confirmados em São Paulo. O número de casos descartados, após exame laboratorial, é de 162.

O Estado de São Paulo tem mais casos suspeitos. onde o número subiu de 136 para 163 entre ontem e hoje. Os demais Estados com maior número de casos são: RS (73), MG (48), RJ (42), SC (36), DF (12) e BA (9).

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que o governo começará a descentralizar os testes de coronavírus. Segundo ele, 30 mil kits de exame laboratorial, ao custo unitário de R$ 100, serão distribuídos às secretarias estaduais de saúde.

Ele informou que, com aumento expressivo dos casos suspeitos de infecção com coronavírus no país, “não faz mais sentido” centralizar os testes nos centros de referência em São Paulo.

O ministro disse que o momento atual é de preparar os profissionais das secretarias estaduais de saúde para fazer os exames. “Só vamos liberar o uso depois de calibrar os equipamentos e treinar o pessoal para garantir a qualidade do teste”, disse.

A expectativa, segundo Mandetta, é de que todos Estados estejam preparados para fazer os testes até o auge do inverno.

Imagem de microscópio do coronavírus (amarelo) feita no Rock Mountain Laboratories, do National Institute of Allergy and Infectious Diseases do EUA

NIAID-RML/AP

O secretário de vigilância em saúde, Wanderson de Oliveira, disse que inicialmente 10 mil kits de diagnóstico serão repassados para Estados da região Norte (AM, PA, RR), Nordeste (BA, CE e SE), Sudeste (RJ, ES e MG), Centro-Oeste (DF e MS) e Sul (PR, SC e RS).

Durante a entrevista, Mandetta informou que soube hoje que cientistas brasileiros sequenciaram o genoma do coronavírus coletado por amostra do segundo paciente que teve infecção confirmada, no último sábado. Ele ressaltou que “o Ministério da Saúde da não retirou nenhum centavo” das pesquisas no ano passado. “Pelo contrário, ampliou”, disse ministro.

O ministro confirmou que comparecerá esta semana ao Congresso Nacional para sensibilizar os parlamentares para a eventual necessidade de aumento da demanda por recursos orçamentários este ano. Ele explicou que em 2020 a definição do orçamento federal contou com uma “novidade” na qual a agilidade na liberação e a inclusão de recursos extras ficam na “dependência do relator”.

Mandetta afirmou que, diante dos desafios que poderão surgir com o surto de epidemia, o Ministério da Saúde pode precisar com o “máximo de liberdade para executar o orçamento”.