Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.649,30
    -72,66 (-0,17%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Casos de HIV dificultam combate à Covid-19 na África do Sul

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com o maior número de casos de HIV do mundo, a África do Sul enfrenta desafios ainda mais complicados para combater a pandemia de coronavírus, o que aumenta o risco de que novas variantes apareçam e se espalhem para outros países.

Most Read from Bloomberg

Muitos dos 8,2 milhões de pessoas infectadas pelo HIV no país estão imunocomprometidas, e cientistas dizem que podem abrigar o coronavírus por mais tempo, permitindo que o vírus sofra mutações enquanto se reproduz. Um estudo com uma mulher HIV positiva de 36 anos mostrou que o coronavírus permaneceu em seu organismo por 216 dias e sofreu uma rápida mutação.

“Há boas evidências de que a infecção prolongada em indivíduos imunocomprometidos é um dos mecanismos para o surgimento de variantes da SARS Covid-2”, disse Túlio de Oliveira, professor de bioinformática que dirige instituições de sequenciamento de genes em duas universidades sul-africanas, durante uma conferência sobre imunologia em 30 de agosto. “Você tem essa evolução em massa do vírus, acumulando mais de 30 mutações.”

Em meio à batalha mundial contra variantes do coronavírus, a vacinação de pessoas infectadas pelo HIV na África do Sul é fundamental. A recente descoberta de outra mutação no país, após a identificação da variante beta no fim do ano passado, mostra o risco de não acelerar a vacinação com urgência.

O problema é que a maioria das pessoas infectadas pelo HIV na África do Sul são pobres e marginalizadas. Muitas vivem em áreas remotas e não tiveram acesso às campanhas de vacinação. Com muitas vacinas - as doses são mais do que suficientes para imunizar os 40 milhões de adultos do país -, o problema da África do Sul agora é aplicá-las nos que mais precisam delas.

“Velocidade e cobertura são importantes para garantir que as pessoas HIV positivas sejam vacinadas”, disse Glenda Gray, presidente do Conselho de Pesquisa Médica da África do Sul e colíder do grupo sul-africano do ensaio da vacina da Johnson & Johnson.

A África do Sul foi o país mais atingido no continente africano pelo coronavírus, com cerca de 2,9 milhões de casos confirmados. O número de excesso de mortes mostra que mais de 250 mil pessoas faleceram durante a pandemia, ou uma em cada 240 sul-africanos.

More stories like this are available on bloomberg.com

Most Read from Bloomberg Businessweek

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos