• BOVESPA

    110.611,58
    -4.590,65 (-3,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.075,41
    +732,87 (+1,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,74
    +0,69 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.699,20
    +21,20 (+1,26%)
     
  • BTC-USD

    54.159,70
    +4.492,93 (+9,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.094,24
    +70,03 (+6,84%)
     
  • S&P500

    3.821,35
    -20,59 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    31.802,44
    +306,14 (+0,97%)
     
  • FTSE

    6.754,72
    +35,59 (+0,53%)
     
  • HANG SENG

    28.773,23
    +232,40 (+0,81%)
     
  • NIKKEI

    29.027,94
    +284,69 (+0,99%)
     
  • NASDAQ

    12.540,75
    +243,50 (+1,98%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,9831
    +0,0233 (+0,33%)
     

Casos de covid-19 caíram 61% nos EUA desde a alta de janeiro

·2 minuto de leitura
Casos de covid-19 caíram significativamente após vacinação nos EUA

Os novos casos de covid-19 nos Estados Unidos caíram 61% em relação ao máximo registrado em 8 de janeiro, disseram as autoridades nesta sexta-feira(5), quando anunciaram que tropas serão enviadas para apoiar a campanha de vacinação.

A diretora dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Rochelle Walensky, disse que os últimos dados oficiais de 3 de fevereiro mostraram que os novos casos caíram para aproximadamente 121.000, enquanto as hospitalizações caíram quase 42% e a taxa de mortes parece estar desacelerando.

"Apesar dos dados estarem indo na direção certa, o contexto é importante porque os casos, internações hospitalares e mortes permanecem altos e bem acima dos níveis que vimos no verão e no início do outono (boreal)", comentou Walensky durante um painel informativo da equipe de resposta da Casa Branca para a covid-19.

Enquanto isso, o Departamento de Defesa anunciou que havia aprovado o envio de 1.110 membros da ativa para colaborar em cinco centros federais de vacinação. Esse número pode eventualmente aumentar para 10.000.

O governo do presidente Joe Biden decidiu administrar 150 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus em seus primeiros 100 dias de mandato, um desafio ainda mais urgente com o surgimento de novas variantes que são mais transmissíveis e reduzem a eficácia de alguns imunizantes.

Para esse fim, Tim Manning, o gerente nacional da rede de abastecimento para a resposta à covid-19, disse que o governo estava invocando uma legislação de emergência chamada Lei de Produção de Defesa para dar à Pfizer acesso prioritário aos ingredientes básicos para sua vacina.

A legislação também está sendo utilizada para ajudar a realizar mais 60 milhões de testes no posto de saúde ou em casa até o verão e para aumentar a fabricação nacional de luvas cirúrgicas.

Enquanto isso, a Food and Drug Administration analisa a nova vacina enviada pela Johnson & Johnson e uma decisão de um painel consultivo independente é esperada para 26 de fevereiro.

O painel provavelmente votará a favor da autorização de uso de emergência, diante dos dados positivos anunciados após os testes da Johnson & Johnson em várias partes do mundo. A vacina de dose única, em geral, é 66% eficaz e muito eficiente contra casos graves de covid-19.

Se tudo correr conforme o esperado, seria a terceira vacina aprovada nos Estados Unidos, ao lado da Pfizer/BioNtech e Moderna.

ia/cl/tly/mps/jc/bn