Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.215,85
    -308,26 (-0,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Casos de câncer de pulmão em quem nunca fumou estão aumentando

·2 minuto de leitura

Enquanto os fumantes ou ex-fumantes respondem pela maioria dos cânceres de pulmão, os que nunca fumaram são responsáveis ​​por 10% a 25% dos casos em todo o mundo. Mas essa proporção está crescendo à medida que o hábito de fumar diminui, e um recente estudo identificou assinaturas genéticas únicas de câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram.

Para o novo artigo, pesquisadores do Instituto Nacional do Câncer e outros colaboradores realizaram o sequenciamento de genes inteiros em tumores de 232 pacientes com câncer de pulmão que nunca fumaram e cuja exposição a fatores de risco era desconhecida. Com isso, eles identificaram três subtipos genéticos: leve, moderado e grave.

O subtipo leve conta com poucas mutações e é menos agressivo, responsável ​​por cerca de metade dos tumores estudados, num desenvolvimento mais lento do que os outros subtipos. O tumor moderado representa um terço dos tumores e teve períodos de latência de cerca de três meses e meio. Já os tumores graves eram os mais agressivos e mais semelhantes ao câncer de pulmão entre os fumantes, dominados por mutações de duplicação de genes inteiros, que criam múltiplas cópias instáveis ​​de um gene. Esses tumores tiveram períodos de latência mediana de apenas um mês e representaram um quinto da amostragem estudada.

(Imagem: DragonImages/Envato)
(Imagem: DragonImages/Envato)

A equipe descobriu que os sinais genéticos apontam para um papel das células-tronco no subtipo leve. As mutações que existem nesses tumores costumam estar relacionadas a genes que regulam as células-tronco. Nesse caso, os tratamentos agressivos estabelecidos não funcionarão com células-tronco no subtipo mais leve.

Os pesquisadores têm mais experimentos pela frente para confirmar a relação com as células-tronco e outros fatores potenciais causadores do câncer de pulmão em pessoas que nunca fumaram. O objetivo da equipe é realizar o sequenciamento de genes inteiros em 2.000 amostras de pacientes com câncer de pulmão que nunca fumaram. O estudo pode ser acessado aqui.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos