Mercado abrirá em 5 h 47 min
  • BOVESPA

    108.651,05
    +248,77 (+0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.241,81
    -113,09 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,75
    -0,75 (-0,83%)
     
  • OURO

    1.807,30
    -5,00 (-0,28%)
     
  • BTC-USD

    22.951,21
    -932,15 (-3,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    533,17
    -24,18 (-4,34%)
     
  • S&P500

    4.122,47
    -17,59 (-0,42%)
     
  • DOW JONES

    32.774,41
    -58,13 (-0,18%)
     
  • FTSE

    7.488,15
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    19.530,24
    -473,20 (-2,37%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    12.998,25
    -33,25 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2525
    +0,0198 (+0,38%)
     

Caso raro de febre hemorrágica é confirmado na Espanha

Na Espanha, um homem foi identificado com um tipo raro de febre hemorrágica, . Transmitida por carrapatos contaminados, o último caso do tipo foi confirmado no país em 2016, quando um paciente morreu em decorrência da infecção. A letalidade da doença é estimada entre 10% e 40%, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

No entanto, o caso espanhol é estável e está sendo acompanhado por uma equipe médica especializada, segundo as autoridades locais. Quando não há tratamento e nem atendimento médico especializado, o paciente pode sofrer com intensos sangramentos tanto internos quanto externos — neste último caso, o nariz e outras partes não param de sangrar. Em quadros extremos, a pessoa pode morrer.

Transmitido por carrapatos, caso de febre hemorrágica rara é identificado na Espanha (Imagem: Reprodução/CDC)
Transmitido por carrapatos, caso de febre hemorrágica rara é identificado na Espanha (Imagem: Reprodução/CDC)

Em junho deste ano, o Iraque relatou um surto atípico da doença. Pelo menos 111 casos foram identificados pelas autoridades locais, incluindo 19 óbitos.

Entenda o caso raro em paciente na Espanha

Inicialmente, o homem com a febre hemorrágica rara foi atendido em um hospital na cidade de Léon, localizada no noroeste de Espanha. Após apresentar sintomas característicos da doença, foi transferido para um centro especializado, segundo o Ministério da Defesa.

"Ele foi picada por um carrapato e permanece em condição estável, apesar da gravidade clínica que essa patologia implica", afirmaram as autoridades de saúde locais, em comunicado, segundo a agência de notícias Reuters.

Afinal, o que é Febre Hemorrágica da Crimeia-Congo?

Vale explicar que a Febre Hemorrágica da Crimeia-Congo é causada pela infecção por um vírus transmitido por carrapatos (Nairovirus) da família Bunyaviridae. No mundo, casos da doença estão, historicamente, concentrados na Europa Oriental, no Mediterrâneo e em algumas regiões da Ásia e da África, mas são extremamente raros em outros países europeus, como a Espanha.

O primeiro caso da doença foi identificada na Crimeia em 1944. Mais tarde, em 1969, também foi considerada a responsável por casos de um tipo de hemorragia na República Democrático do Congo. Por isso, carrega em seu nome a menção aos dois países.

Sintomas da infecção

Segundo o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), dos Estados Unidos, a febre hemorrágica tem início súbito. Nos primeiros estágios da infecção, os pacientes tendem a relatar os seguintes sintomas:

  • Dor de cabeça;

  • Dor nas costas;

  • Febre alta;

  • Dor de estômago;

  • Vômitos;

  • Dor nas articulações;

  • Olhos vermelhos ou icterícia (olhos amarelados).

"À medida que a doença progride, grandes áreas de hematomas graves, hemorragias nasais graves e sangramento descontrolado podem ser vistos, começando por volta do quarto dia da doença e durando cerca de duas semanas", acrescenta o CDC.

Como o vírus é transmitido?

De forma geral, o vírus é transmitido por carrapatos infectados ou pelo sangue da animais que estão com a infecção, como bois e ovelhas. Além disso, humanos contaminados também podem transmitir para pessoas saudáveis. "A Cchf [Febre Hemorrágica da Crimeia-Congo] pode ser transmitido de um humano infectado para outro por contato com sangue ou fluidos corporais infecciosos", explica o CDC.

No momento, não há vacina segura e eficaz disponível para a imunização de humanos contra a febre hemorrágica.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos