Mercado abrirá em 9 h 19 min

Caso de percussionista vítima de racismo em padaria de São Paulo pode ser arquivado pela justiça

Alma Preta
·3 minutos de leitura
Beth Beli, criadora do bloco afro Ilú Obá de Min, e a deputada estadual Leci Brandão (PCdoB). Foto: Alemão/Alesp
Beth Beli, criadora do bloco afro Ilú Obá de Min, e a deputada estadual Leci Brandão (PCdoB). Foto: Alemão/Alesp

Texto: Juca Guimarães Edição: Nataly Simões

Cinco meses após ser vítima de racismo em uma padaria na região central de São Paulo, a mestre de percussão e arte educadora Beth Beli, criadora do bloco Ilú Obá de Min, ainda não teve seu caso solucionado pelo sistema de justiça.

De acordo com a advogada de defesa da artista, as investigações e os relatos de testemunhas não sustentam uma acusação contra o dono do estabelecimento. O proprietário, inclusive, processou a percussionista por ter levado o caso ao conhecimento do público.

Leia também

“Não houve indiciamento e foi relatado de uma maneira neutra o resumo do que as pessoas disseram”, explica Leny Oliveira, advogada representante de Beth.

Segundo a advogada, o caso aguarda um parecer do Ministério Público, que tem um prazo de aproximadamente dez dias para responder. O promotor pode encaminhar a denúncia ou solicitar o arquivamento.

Em maio, ao perguntar para o atendente do caixa da Padaria Palmeiras, no bairro Santa Cecília, se o estabelecimento vendia fermento, Beth foi ofendida diante de outros clientes e de empregados no estabelecimento. Segundo o relato dela, o dono do estabelecimento gritou “Sai daqui” e fez gestos negativos.

“No relatório, a delegada escreveu que ‘a vítima, Beth, teria sido impedida de ingressar, acreditando na ocorrência de preconceito racial’. A defesa do dono da padaria diz que ele não impediu ela de entrar. Porém, as imagens mostram os gestos dele”, afirma a advogada.

Em nota enviada ao Alma Preta, o advogado Carlos Correia de Sousa, que representa o dono da Padaria Palmeiras, afirmou que na época do ocorrido um dos sócios tentou contatar Beth Beli, mas não teve resposta. Paralelamente a isso, segundo a defesa do estabelecimento, a percussionista denunciou o caso nas redes sociais.

Ainda segundo o advogado, existem dois inquéritos distintos, um na 77 DP e outro no DECRADI. “Frise-se, os dois inquéritos encontram-se relatados e foram remetidos ao Ministério Público, aguardando manifestação do mesmo. Entendemos que a via eleita pela Sra. Elisabeth para dirimir a questão é de fato a via adequada e, assim como ela, a Padaria aguarda o deslinde da questão”, diz a defesa do estabelecimento.

Homenagem na Alesp

Beth Beli recebeu por dois anos seguidos duas importantes honrarias de reconhecimento no combate ao racismo e valorização das matrizes africanas. No final de junho, a percussionista foi homenageada em uma sessão solene na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), junto a um tributo póstumo ao advogado abolicionista Luiz Gama. Em março de 2019, a percussionista também recebeu a medalha Theodosina Ribeiro, em sessão organizada pela deputada Leci Brandão (PCdoB)

Neste ano, a sessão contra o racismo e a LGBTfobia na casa legislativa, organizada virtualmente pela deputada Erika Hilton, da Bancada Ativista (PSOL), lembrou o caso de racismo sofrido pela criadora do Ilú Obá de Min na padaria da região central da capital paulista.

“Essa força que a Beth carrega, ela e tantas outras mulheres negras que vieram antes da gente, nos inspira, nos ensina e nos conduz. Que a gente possa pegar as violências que são atiradas contra os nossos corpos diariamente e enfrentá-las de uma forma tão segura, tão tranquila e tão em paz como a Beth tem enfrentado”, reforçou Erika Hilton.

* Texto atualizado às 11:22 de 14 de outubro de 2020 para inclusão do posicionamento da defesa da Padaria Palmeiras.