Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.394,12
    +64,95 (+0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Casino vai transformando Assaí em empresa sem dono

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.04.2022 - Veículo deixa uma unidade do atacadista Assaí na Aricanduva, SP. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 12.04.2022 - Veículo deixa uma unidade do atacadista Assaí na Aricanduva, SP. (Foto: Rubens Cavallari/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Quem deve precisa de ativos com liquidez para honrar seus compromissos. No caso do grupo francês Casino, que no Brasil controla o GPA e o Assaí, a estratégia é oferecer parte da maior rede de atacarejo do país, responsável por um faturamento bruto de R$ 42,2 bilhões nos nove primeiros meses deste ano, dona de mais de mil lojas.

Foi o que os franceses fizeram nesta segunda-feira (28), com a oferta subsequente de ações (follow-on, em inglês) de 140,8 milhões de ações do Assaí, equivalente a 10,4% do capital da empresa. O valor pretendido somava R$ 3,6 bilhões, já considerando uma segunda oferta adicional de 49,5 milhões de ações (o que iria atingir uma fatia de 14,1%).

A procura dos investidores pelos papéis foi alta. Segundo duas fontes ouvidas pela reporagem, que acompanham a operação, a demanda pelas 190,3 milhões de ações já estaria cerca de duas vezes acima do tamanho total da oferta, ultrapassando os R$ 7 bilhões.

O valor só será definido após a fixação do preço por ação no âmbito da oferta. Na Bolsa de Valores, as ações do Assaí fecharam esta terça em leve alta de 0,4%, a R$ 19,40, mas a tendência é que o preço por ação no processo de venda pelo Casino saia pouco abaixo do valor negociado em Bolsa, de modo a atrair a demanda dos investidores.

O Assaí é a segunda maior rede varejista do Brasil, atrás apenas do Carrefour, segundo ranking da Abras (Associação Brasileira de Supermercados). Isso porque o Carrefour consolida os resultados da própria rede com os do Atacadão, rival direto do Assaí.

O francês Casino tem uma dívida bruta de 7 bilhões de euros (R$ 38,5 bilhões) e dívida líquida que soma 4,5 bilhões de euros (R$ 24,7 bilhões). Com a venda de parte do Assaí, a participação do Casino vai ser diluída: de controlador, com 41%, ele passa a ser um acionista relevante, com 27%.

E, futuramente, segundo analistas e consultores de varejo ouvidos pela reportagem, a tendência é que o Assaí se torne uma "corporation", uma empresa sem um dono específico, com capital pulverizado na Bolsa.

"O Casino está pavimentando o caminho para o Assaí se tornar uma uma corporation", diz Danniela Eiger, principal analista da XP para o mercado de varejo, destacando que o Assaí é o ativo mais líquido do grupo francês.

Segundo ela, o Casino tem feito ajustes na governança do Assaí, que sinalizam esta saída "à francesa" do controle do grupo atacadista, preparando a rede de atacarejo para transformá-la em uma empresa sem dono.

"Prova da diminuição da influência do Casino no Assaí foi a substituição, no conselho da rede, de um membro do grupo francês pelo próprio presidente do Assaí, Belmiro Gomes, que passou a integrar o board". Com isso, diz ela, o Casino passou a ter 5 assentos no conselho de 9 integrantes.

A expectativa é que na próxima renovação do board, em 23 de abril, essa presença diminua para 4 assentos, e que o número de conselheiros independentes aumente para além dos atuais três membros, como já sinalizou o próprio Assaí em reunião com analistas nesta segunda.

Na ocasião, de acordo com relatório do banco Goldman Sachs, assinado pela analista Irma Sgarz, Belmiro Gomes disse que o plano de se tornar uma corporation deve ser concluído em cinco anos.

Na governança da rede atacadista, o Casino também incluiu uma nova etapa para se obter aprovação de transações com partes relacionadas avaliadas acima de R$ 100 milhões, em que os acionistas interessados devem se abster de votar.

"Tudo isso fortalece a governança do Assaí e melhora a liquidez das ações", diz Danniela. "É natural que o Casino vá oferecendo suas ações em etapas, não saia de uma vez do comando do grupo, para poder se beneficiar desta valorização das ações."

Questionado pela reportagem, o Casino negou a intenção de sair do país.

O consultor em varejo Eugênio Foganholo concorda. "O Casino não vai anunciar aos quatro cantos que quer deixar de ser controlador do Assaí, o que poderia desvalorizar as ações da rede", afirma Foganholo, sócio da Mixxer Desenvolvimento Empresarial. "Vai saindo aos poucos do controle, à francesa."

Segundo ele, o Casino tem promovido iniciativas para separar as empresas do grupo (spin-off) a fim de destravar valor em cada uma. "Foi assim com o Assaí, que se tornou uma empresa em separado em março do ano passado, e com valor de mercado superior ao GPA [Grupo Pão de Açúçar]", afirma. "Em setembro deste ano, foi a vez de o GPA se separar do Êxito, da Colômbia, que estavam na mesma estrutura."

O atacarejo, diz Foganholo, tem se mostrado a bola da vez diante do orçamento apertado do brasileiro. "E com a conversão de lojas Extra em Assaí, presente nos bairros, o atacarejo tende a chegar em um público que faz compras de reposição, e não só de abastecimento", diz ele.

Existem especulações, pelo menos desde o ano passado, sobre a saída do Casino da América Latina. Agrava o cenário a inflação na França, que vem corroendo as margens do grupo. O próprio Casino informou que pretende se desfazer de ativos no valor de 4,5 bilhões de euros (R$ 24,7 bilhões) até o final do próximo ano.

Segundo o jornal Valor Econômico, estariam na mira a venda de operações na Colômbia e no Uruguai.

"Não sabemos qual a agenda do Casino, mas está muito claro que o grupo tem uma estrutura de capital complicada e um nível de alavancagem muito alto, que precisa ser reduzido", afirma Alberto Serrentino, sócio da consultoria Varese Retail.

A reestruturação que desmembrou o colombiano Éxito e o brasileiro Pão de Açúcar é um movimento para dar mais liquidez para os ativos, lembra. "Mas claramente o Pão de Açúcar tem mais chances de destravar valor, porque a companhia está muito subavaliada em relação ao seu potencial."

*

GRUPO CASINO

Fundação: 1.898

Sede: Saint-Étienne (França)

Funcionários: 208 mil

Lojas: 11.500

Principais bandeiras: Assaí e Pão de Açúcar (Brasil), Éxito (Colômbia), Casino, Géant e Monoprix (França), Disco (Uruguai), Libertad (Argentina) e Bao (Camarões).

Vendas líquidas/ano: 30,5 bilhões de euros

Fonte: Empresa