Mercado abrirá em 6 h 42 min
  • BOVESPA

    113.430,54
    +1.157,53 (+1,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.564,27
    +42,84 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,19
    +0,32 (+0,41%)
     
  • OURO

    1.941,50
    -3,80 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    23.159,78
    +283,14 (+1,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    524,33
    +5,54 (+1,07%)
     
  • S&P500

    4.076,60
    +58,83 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    34.086,04
    +368,95 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.771,70
    -13,17 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    21.882,26
    +39,93 (+0,18%)
     
  • NIKKEI

    27.351,02
    +23,91 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    12.107,00
    -45,00 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5199
    +0,0043 (+0,08%)
     

Destaques da NASA: aurora, cometa ZTF e + nas fotos astronômicas da semana

Preparado para conferir as mais recentes fotos destacadas no site Astronomy Picture of the Day? A seleção desta semana está bastante variada: você encontrara registros de duas diferentes estações espaciais em um só clique, uma foto impressionante com cometa ZTF e mais.

Ainda, o compilado traz também uma nova imagem capturada pelo telescópio espacial James Webb, que revelou os detalhes de uma região de formação estelar na galáxia Pequena Nuvem de Magalhães.

Confira:

Sábado (07/01) — Estações espaciais no céu

Estação espacial chinesa Tiangong e Estação Espacial Internacional fotografadas em Portugal em 3 janeiro (Imagem: Reprodução/Zarcos Palma)
Estação espacial chinesa Tiangong e Estação Espacial Internacional fotografadas em Portugal em 3 janeiro (Imagem: Reprodução/Zarcos Palma)

No início do ano, duas estações espaciais brilharam no céu. Na parte superior da imagem, está o rastro brilhante deixado pela estação espacial Tiangong, da China, que aparece junto da constelação Ursa Maior.

Já o rastro luminoso na parte inferior da imagem pertence à Estação Espacial Internacional, fotografada próxima das estrelas da constelação Cassiopeia.

Domingo (08/01) — A origem dos elementos

Tabela periódica e a origem dos elementos presentes nela (Imagem: Reprodução/Cmglee; Data: Jennifer Johnson (OSU)
Tabela periódica e a origem dos elementos presentes nela (Imagem: Reprodução/Cmglee; Data: Jennifer Johnson (OSU)

A tabela periódica acima te ajuda a entender a origem dos elementos — o hidrogênio, por exemplo, nasceu do Big Bang. Já o carbono, essencial para a vida como conhecemos, veio da fusão nuclear que ocorre no interior das estrelas.

Já o ouro provavelmente nasceu da colisão de estrelas de nêutrons, que causaram breves emissões de raios gama ou ondas gravitacionais.

Segunda-feira (09/01) — Cometa ZTF

Conforme se aproxima do Sol, o cometa ZTF vem ficando cada vez mais brilhante (Imagem: Reprodução/Jose Francisco Hernández)
Conforme se aproxima do Sol, o cometa ZTF vem ficando cada vez mais brilhante (Imagem: Reprodução/Jose Francisco Hernández)

Descoberto no ano passado, o cometa C/2022 E3 (ZTF) vem viajando pelo Sistema Solar e, conforme se aproxima do Sol, está ficando cada vez mais brilhante — com sorte, talvez ele fique visível a olho nu para observadores no hemisfério norte.

Na foto, é possível identificar quatro caudas do cometa: três são longas, têm cor azulada e são feitas de íons vindos do núcleo dele, enquanto a de cor mais clara é mais curta que as demais. Já o brilho esverdeado vem do gás carbônico do coma do cometa.

Terça-feira (10/01) — Nebulosa do Cone

A Nebulosa do Cone faz parte de uma região de formação estelar (Imagem: Reprodução/Matthew Dieterich)
A Nebulosa do Cone faz parte de uma região de formação estelar (Imagem: Reprodução/Matthew Dieterich)

Esta é a nebulosa NGC 2264. Também conhecida como “Nebulosa do Cone”, ela é um pilar de poeira gigante, cujo interior abriga berçários estelares. As nuvens de gás e poeira presentes ali são esculpidas pela ação de ventos energéticos, vindos de estrelas recém-nascidas.

A nebulosa fica a cerca de 2.500 anos-luz de nós em direção à constelação Monoceros, o Unicórnio. Seu pilar de poeira chega a quase 7 anos-luz de extensão.

Quarta-feira (11/01) — Aurora boreal na Islândia

Aurora boreal iluminando o céu de Gatklettur (Imagem: Reprodução/ Stefano Pellegrini)
Aurora boreal iluminando o céu de Gatklettur (Imagem: Reprodução/ Stefano Pellegrini)

Uma aurora boreal colorida iluminou o céu de Gatklettur, na Islândia, e rendeu esta bela foto. As auroras ocorrem quando partículas eletricamente carregadas, vindas do Sol, chegam à Terra; parte delas desce pelas linhas do campo magnético do nosso planeta e chegam à atmosfera, interagindo com gases e formando as auroras.

Além das cores do fenômeno, há também estrelas ao fundo, que pareciam girar lentamente próximas da estrela Polaris, em função da rotação da Terra.

Quinta-feira (12/01) — Constelação de Perseu

Gás, poeira e acompanhando a constelação de Perseus (Imagem: Reprodução/Jack Groves)
Gás, poeira e acompanhando a constelação de Perseus (Imagem: Reprodução/Jack Groves)

Nesta foto, a constelação de Perseus aparece acompanhada de uma série de objetos. Um deles é o aglomerado estelar IC 348, visível no canto superior esquerdo da foto; ali por perto, está também a chamada “Nebulosa do Fantasma Voador”, com nuvens de poeira escura.

Já do lado direito, está a região de formação estelar NGC 1333, ligada à Nuvem Molecular Perseus por filamentos escuros de poeira.

Sexta-feira (13/01) — Aglomerado estelar NGC 346

A região de formação estelar NGC 346 observada pelo telescópio espacial James Webb (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, CSA, STScI, A. Pagan (STScI)
A região de formação estelar NGC 346 observada pelo telescópio espacial James Webb (Imagem: Reprodução/NASA, ESA, CSA, STScI, A. Pagan (STScI)

Aqui, você viu um pouco de NGC 346, um aglomerado estelar jovem e massivo no interior da Pequena Nuvem de Magalhães. Ele fica em meio à região de formação estelar da galáxia e, em seu interior, há estrelas energéticas e de vida curta, acompanhadas por estrelas jovens ainda em formação.

As estrelas deste “berçário estelar” têm entre 3 e 5 milhões de anos, e ainda não queimam hidrogênio por meio da fusão nuclear.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: