Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,15
    +1,17 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.758,20
    +6,50 (+0,37%)
     
  • BTC-USD

    43.973,72
    +1.457,39 (+3,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.099,53
    -3,53 (-0,32%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    30.277,35
    +28,54 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    15.376,75
    +58,00 (+0,38%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2580
    +0,0024 (+0,04%)
     

Casa própria deixa de ser a prioridade de investimentos entre os brasileiros

·1 minuto de leitura
Pandemia mudou as prioridades de investimento das classes A, B e C (Getty Image)
Pandemia muda prioridade de investimento das classes A, B e C (Getty Image)
  • Classe C foi a mais afetada pela crise

  • Reserva de emergência virou prioridade nos lares brasileiros

  • Classe B foi a que menos perdeu interesse no investimento

O sonho da casa própria não faz mais parte da vida dos brasileiro. Pelo menos é isso que a pesquisa "Raio X do Investidor" aponta. O levantamento, realizado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiros e de Capitais (Anbima) em parceria com o Data Folha revela que a pandemia mudou a prioridade financeira da população.

Leia mais:

Em função da insegurança financeira causada pelo período de crises e desemprego, as pessoas têm preferido manter uma reserva de emergência ao invés de realizar investimentos em imóveis.

Realizada com a população economicamente ativa das classes A, B e C, a pesquisa mostrou que apenas 27% dos entrevistados que têm dinheiro guardado pretendem comprar uma casa. Antes do covid, a aquisição imobiliária liderava a intenção de investimentos.

A recessão econômica foi sentida com maior impacto pela classe C. Apenas 27% da população apontou a casa própria como prioridade no momento. Um ano antes, o percentual chegava a 38,6%. Integrantes da classe B tiveram a menor queda de interesse, passando de 30% a 26,2% .

A pandemia também diminui os gatos com festas, viagens, restaurantes e atrações culturais, incentivando um movimento de economia financeira. Entre as preferências de investimento, ações, títulos privados e fundos ganharam a preferência da população, ao mesmo passo em que a poupança perdeu relevância.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos