Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.710,03
    -3.253,98 (-2,65%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.748,41
    -906,88 (-1,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,59
    -0,49 (-0,74%)
     
  • OURO

    1.818,40
    -4,40 (-0,24%)
     
  • BTC-USD

    50.311,83
    -6.812,13 (-11,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.382,61
    -181,23 (-11,59%)
     
  • S&P500

    4.063,04
    -89,06 (-2,14%)
     
  • DOW JONES

    33.587,66
    -681,50 (-1,99%)
     
  • FTSE

    7.004,63
    +56,64 (+0,82%)
     
  • HANG SENG

    28.007,93
    -223,11 (-0,79%)
     
  • NIKKEI

    27.628,73
    -518,78 (-1,84%)
     
  • NASDAQ

    13.058,50
    +60,00 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4099
    +0,0044 (+0,07%)
     

Casa Branca diz que haverá consequências à Rússia se Navalny morrer

·1 minuto de leitura

WASHINGTON (Reuters) - O conselheiro de segurança nacional do presidente Joe Biden, Jake Sullivan, disse no programa “State of The Union” da CNN, neste domingo, que o governo dos EUA afirmou à Rússia que “haverá consequências” se Alexei Navalny, opositor do Kremlin, morrer na prisão.

“Nós comunicamos ao governo russo que o que acontecer com o senhor Navalny enquanto ele estiver sob sua custódia é responsabilidade deles e que eles serão responsabilizados pela comunidade internacional”, disse Sullivan à CNN.

“Em relação a medidas específicas que tomaremos, estamos considerando uma variedade de custos diferentes que imporíamos. Não vou telegrafar publicamente o que faremos neste momento, mas comunicamos que haverá consequências se o senhor Navalny morrer”, acrescentou.

A Reuters publicou anteriormente que Navalny está sob um risco cada vez maior de ter falha nos rins e que sua visão está se deteriorando após mais de duas semanas em greve de fome.

Navalny, 44, proeminente adversário do presidente russo Vladimir Putin, começou a recusar comida em 31 de março para protestar a falta de tratamento médico para sua perna e costas.

(Por Sarah N. Lynch)