Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.065,40
    -88,04 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Casa Branca aciona todos os mecanismos a seu alcance contra inflação

O governo de Joe Biden, encurralado pela inflação, está acionando todos os mecanismos a seu alcance para tentar conter o aumento dos preços e recuperar um pouco de popularidade, a poucos meses das eleições legislativas de meio de mandato, mas sua margem de ação é reduzida.

"Não há muito que o governo possa fazer diretamente para combater a inflação", explicou à AFP Gregory Daco, economista-chefe da consultoria EY-Parthenon.

Joe Biden se reuniu na terça-feira no Salão Oval com o presidente do Federal Reserve (Fed, banco central), Jerome Powell, e a secretária do Tesouro, Janet Yellen.

Este encontro "é, sobretudo, um símbolo de que a administração é consciente que a inflação afeta numerosas famílias nos Estados Unidos e é um flagelo que precisa ser resolvido de forma urgente", destacou Daco.

Mas também mostra que "o governo não tem o poder de limitar a inflação de forma direta", acrescentou o economista.

O Executivo, que - assim como o Fed - considerou durante muito tempo que a inflação era um fenômeno temporário, anunciou um plano para promover a construção de casas e tornar as habitações mais acessíveis. Também utiliza as reservas estratégicas de petróleo para tentar conter a escalada de preços da gasolina, que está batendo um recorde atrás do outro.

Outras medidas necessitam de uma aprovação improvável do Congresso, tal como aumentar impostos aos mais ricos e às multinacionais.

O governo também gostaria de reduzir o custo do cuidado às crianças para que muitas mães possam voltar ao mercado de trabalho. A escassez de mão de obra empurra os salários para cima, e isso, por sua vez, impulsiona a inflação.

- Reduzir custos -

"A maioria" das medidas que o próprio presidente cogitou em uma coluna publicada na segunda-feira no Wall Street Journal "requer que o Congresso aprove uma lei (boa sorte!), ou são políticas que serão pouco efetivas para reduzir a inflação no curto prazo", assinalou um uma nota a economista Stephanie Kelton, da Universidade Stony Brook.

A inflação se moderou em abril, depois de alcançar seu máximo em 40 anos em março. No entanto, ela se mantém alta, em 6,3% nos últimos 12 meses, segundo o índice PCE, de referência do Fed, e 8,3% segundo o índice PCI, usado no cálculo das pensões.

Outra medida possível seria reduzir tarifas sobre produtos chineses que representam bilhões de dólares em importações, uma ação que o governo hesita em implementar dentro de um contexto de tensões diplomáticas com Pequim.

Assim, sem uma verdadeira margem de manobra para agir sobre a inflação, o governo está usando a carta da comunicação.

"O presidente destacou sua intenção de fazer o possível para reduzir os custos que os americanos enfrentam", declarou Yellen nesta quarta à emissora CNBC.

Nesse sentido, a secretária do Tesouro mencionou "os medicamentos vendidos com receita, as contas de serviços públicos, coisas nas quais o presidente, sozinho ou junto com o Congresso, pode fazer uma diferença".

Na terça, Yellen também fez uma mea-culpa ao reconhecer que não foi capaz de antecipar o vigor nem a persistência da inflação.

- 'Principal preocupação' -

O principal assessor econômico de Biden, Brian Deese, disse na terça-feira aos jornalistas na Casa Branca que o presidente sabe que, "neste momento, os preços são a principal preocupação das pessoas; os preços nos postos de gasolina, nos supermercados".

Esse tema é sua "principal prioridade econômica", reiterou, algo que o próprio Biden já havia dito. "Podemos fazer uma transição para um crescimento estável, sem sacrificar todos os progressos econômicos, se tomarmos as decisões corretas", acrescentou.

Em março, o Fed começou a subir as taxas de juros de referência para encarecer o crédito e, assim, reduzir a demanda. Desde então, crescem os temores de uma desaceleração do ritmo de crescimento, inclusive de uma recessão com o aumento do desemprego.

Daco estima que esse cenário é inevitável: "A desaceleração é almejada, inclusive desejável, já que, sem ela, é pouco provável uma redução da inflação".

jul/Dt/mr/ll/rpr/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos