Mercado abrirá em 7 h 7 min
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,34
    -0,63 (-0,88%)
     
  • OURO

    1.750,80
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    45.692,14
    -2.259,95 (-4,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.140,98
    -84,55 (-6,90%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.114,67
    -806,09 (-3,23%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.248,00
    -78,00 (-0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1896
    -0,0098 (-0,16%)
     

Cartão por aproximação: bancos não se responsabilizam por golpes e furtos

·2 minuto de leitura
Retail, credit card payment service. Customer paying for order of cheese in grocery shop.
Clientes se queixam de falta de suporte em transações indevidas realizadas pela modalidade de pagamento (Getty Image)
  • Proteste alerta para o crescimento nas queixas de uso indevido de cartões contacless

  • Segundo entidade, instituições não realizaram o ressarcimento dos valores perdidos

  • Código do Consumidor determina que bancos são responsáveis pela segurança dos meios 

O cartão por aproximação foi criado para trazer mais segurança e praticidade para os consumidores. Após anos de problemas com clonagens, os bancos apostaram na tecnologia para reduzir o número de golpes aplicados na modalidade de pagamento. 

Leia também:

No entanto, ao retirar a obrigatoriedade de conferir o valor e digitar a senha para concluir a transação, os clientes ficaram vulneráveis a um novo tipo de golpe. Quando um cliente perde o cartão, outras pessoas conseguem fazer compras utilizando a tecnologia contacless.

Segundo a Proteste, associação de defesa do consumidor, tem crescido o número de queixas sobre pagamentos por aproximação. As principais reclamações são de pessoas que tiveram o cartão furtado e saíram no prejuízo com gastos que não realizaram, uma vez que as instituições que representam os cartões não realizam estorno de compras por aproximação.

Anteriormente, o limite estabelecido para transações pela tecnologia era de R$ 50. No final do ano passado, Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) aumentou o valor para R$ 200. Mesmo com a restrição, a Proteste recebeu reclamações de compras feitas por terceiros com valores superiores R$ 500. 

A entidade conta que apenas parte dos clientes receberam estorno, enquanto outros foram informados que as instituições não cobririam o prejuízo. O posicionamento das empresas contraria o Código de Defesa do Consumidor, uma vez que as operadoras são responsáveis pela segurança dos meios de pagamento oferecidos.

Caso tenha sido vítima de furto ou roubo, o consumidor deve fazer um boletim de ocorrência, além de bloquear os cartões imediatamente para evitar o uso indevido do dinheiro disponível na conta.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos