Mercado abrirá em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,54
    +0,28 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.812,70
    -9,50 (-0,52%)
     
  • BTC-USD

    38.616,97
    -1.294,73 (-3,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    936,13
    -24,77 (-2,58%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.102,33
    +20,61 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    26.194,82
    -40,98 (-0,16%)
     
  • NIKKEI

    27.641,83
    -139,19 (-0,50%)
     
  • NASDAQ

    14.982,50
    +29,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1192
    -0,0249 (-0,41%)
     

Carta de 120 entidades empresariais a Lira tem lista de críticas à reforma do IR

·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Um grupo de 120 entidades empresariais enviou uma carta ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com uma lista de críticas à reforma do IR (Imposto de Renda) proposta pelo governo. As associações defendem que o tema seja debatido com tempo e pedem a criação de uma comissão especial para analisar o projeto.

Entre os signatários, estão a Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção), Abrasca (Associação Brasileira das Companhias Abertas), Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) e a ANJ (Associação Nacional de Jornais).

O grupo inicia o ofício afirmando que representa grande parte da força econômica do país e diz que a proposta do ministro Paulo Guedes (Economia) reduzirá a atração de capitais e desestimulará o investimento produtivo, dificultando o crescimento econômico.

"É inaceitável que, sob a intenção de melhorias no sistema tributário, se promova uma reforma que onere ainda mais quem investe em atividades econômicas, puna de forma desequilibrada os profissionais liberais, desorganize as estruturas empresariais e afugente o capital financeiro", diz o documento.

As entidades afirmam que a medida do governo elevará a atual alíquota de 34% de IR da pessoa jurídica e CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) para 43,2% para empresas que recolhem o tributo no regime de lucro real.

Para chegar a esse valor, o grupo inclui na conta a tributação de 20% que o governo propôs instituir sobre a distribuição de dividendos a pessoas físicas.

As associações também se posicionam contra o fim do JCP (Juros sobre Capital Próprio), outra forma de distribuição de recursos a acionistas que gera dedução de imposto.

O documento critica mudanças nas regras de tributação sobre investimentos. Afirma ainda que haverá aumento de burocracia se for confirmada a restrição ao uso do sistema de lucro presumido, uma modalidade simplificada de recolhimento do imposto pelas empresas.

A carta também apresenta posicionamento contrário a pontos do projeto que não têm relação direta com as empresas, como é o caso da limitação de uso da declaração simplificada com desconto automático por pessoas físicas.

A medida restringe o uso desse mecanismo a pessoas com renda anual de até R$ 40 mil. Com isso 6,8 milhões de pessoas perderão o direito de usar o instrumento. A carta afirma que, nesse caso, a medida onera a renda dos contribuintes.

"Se de um lado a proposta de reforma do IR traz algum alívio para os assalariados, de outro ameaça seus empregos, a geração de novas vagas de trabalho e ainda tende a aumentar o custo dos bens e serviços que esses consomem. Ao final, a conta fica negativa para todos", afirma.

A carta vem um dia após a divulgação da informação de que Guedes estaria contando com o apoio das entidades empresariais para pressionar o Congresso pela redução de subsídios e aprovação da reforma do IR com corte mais intenso do imposto sobre o setor privado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos