Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.433,65
    +727,09 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Cartão de crédito ganha da pandemia como vilão do endividamento, mostra pesquisa

Extra
·1 minuto de leitura

A crise econômica gerada pela pandemia de Covid-19 contribuiu para o aumento do endividamento, mas não tanto quanto o descontrole com os gastos no cartão de crédito. Essa foi a percepção dos consumidores ouvidos em um levantamento da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Proteste). A pesquisa foi realizada na cidade de São Paulo e Rio de Janeiro, com 500 entrevistados. As entrevistas foram feitas entre os dias 22 de fevereiro e 3 de março de 2021.

Para 81% dos entrevistados, o mau uso do cartão de crédito foi citado como o maior vilão do superendividamento no último ano. A pandemia ficou em segundo lugar, com 68%. O desemprego (65%) e a inflação (30%) ficaram em terceiro e quarto lugar, respectivamente.

Ainda de acordo com a pesquisa, 64% dos entrevistados disseram que aumentaram o consumo durante a pandemia, o que pode justificar a necessidade de fazer dívidas para arcar com essas despesas.

Com relação às contas de consumo, 43% dos entrevistados já deixaram de pagar ao menos uma fatura no último ano. O tipo de conta que mais deixou de ser paga foi a de energia elétrica (36%), seguida da de água (26%), internet (22%), telefone (19%), aluguel (16%), e cartão de crédito (14%).

A pesquisa também avaliou quais são os riscos que os consumidores mais temem ao deixar de pagar uma conta. Entre o total de entrevistados, 77% temem pela suspenção do serviço e 70% tem receio de ficar com o “nome sujo”.