Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.425,15
    +27,57 (+0,12%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Carros 0km estão com dias contados na Rússia; veja o porquê

Inúmeras montadoras de carros anunciaram que vão abandonar a Rússia e fechar suas fábricas. Além disso, as empresas vão congelar as vendas já firmadas com clientes no país devido às sanções e rupturas econômicas impostas por outras nações em decorrência da invasão na Ucrânia.

Entre os nomes que já anunciaram essa decisão estão marcas como Toyota, BMW, Mercedes-Benz, Aston Martin, Ford, Renault, Harley-Davidson, Bentley, Honda, Volvo, Jaguar Land Rover e Volkswagen. O grupo Stellantis, que tem empresas como Jeep e Fiat, também anunciou que seguirá as sanções.

A Hyundai, que constantemente lidera o ranking de vendas do mercado russo, também anunciou que fechará sua fábrica no país, mas não deu uma data para isso. Outras marcas como Lada e Avtovaz, que pertencem à Renault; e Nissan, que tem parceria com os franceses, também devem seguir o mesmo caminho.

O Hyundai Creta vendido no Brasil é igual ao modelo russo (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)
O Hyundai Creta vendido no Brasil é igual ao modelo russo (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

A Ucrânia é um país importante para o mercado automotivo europeu, pois tem fábricas de peças e componentes. Com a guerra escalonando no local, essas plantas tiveram que interromper suas atividades, prejudicando as montadoras em todo o continente.

Aviões também foram afetados

Além das fabricantes de automóveis, as gigantes da aviação também abandonaram a Rússia. Boeing, Airbus e Embraer anunciaram o corte no envio de peças e a interrupção do serviço de manutenção.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: