Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.247,15
    -2.542,18 (-2,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.394,03
    -1.070,00 (-2,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,98
    -3,42 (-3,04%)
     
  • OURO

    1.814,10
    -4,80 (-0,26%)
     
  • BTC-USD

    29.102,07
    -1.026,89 (-3,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,43
    -20,25 (-3,02%)
     
  • S&P500

    3.923,68
    -165,17 (-4,04%)
     
  • DOW JONES

    31.490,07
    -1.164,52 (-3,57%)
     
  • FTSE

    7.438,09
    -80,26 (-1,07%)
     
  • HANG SENG

    20.644,28
    +41,76 (+0,20%)
     
  • NIKKEI

    26.911,20
    +251,45 (+0,94%)
     
  • NASDAQ

    11.877,50
    -682,75 (-5,44%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2142
    +0,0038 (+0,07%)
     

Carrefour Brasil vê vendas mesmas lojas de varejo alimentar com forte alta em abril

SÃO PAULO (Reuters) - O grupo Carrefour Brasil teve em abril um crescimento de vendas no conceito mesmas lojas de mais de 20% no segmento de varejo alimentar, disse nesta sexta-feira o presidente-executivo da companhia, Stéphane Maquaire, em conferência com analistas.

"Pelo efeito da inflação, mas cresceu em volumes também", disse o executivo, após a companhia divulgar na noite da véspera lucro de primeiro trimestre quase estável, com vendas mesmas lojas do segmento de varejo alimentar crescendo 8,4% ano a ano.

O desempenho deu confiança para a empresa esperar um nível de margens no "curto prazo" pelo menos no mesmo patamar do primeiro trimestre, apesar do ambiente inflacionário e da concorrência, disse o vice-presidente financeiro David Murciano.

E após o rival GPA ter se desfeito de sua área de hipermercados, o Carrefour Brasil segue apostando no formato que tem apresentado "desempenho muito forte" nas categorias de têxteis e bazar, no momento em que o consumo segue pressionado pela alta dos preços.

"Achamos que hiper tem relevância no mercado brasileiro... Estamos aproveitando da força do alimentar e não temos visão negativa sobre o formato hiper, porque temos hipermercados de proximidade na realidade no país", disse o presidente do grupo.

Ele acrescentou que o formato de hipermercados também tem relevância estratégica na aposta em digitalização de vendas do grupo, servindo como centros de distribuição mais próximos dos clientes.

Questionado sobre a integração com as lojas do Grupo Big, Maquaire afirmou que tem expectativa de que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprove o negócio "nas próximas semanas" e que as sinergias calculadas atualmente para a transação são maiores que as estimadas antes.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos