Mercado abrirá em 3 h 6 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,65
    -0,12 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.853,10
    -2,10 (-0,11%)
     
  • BTC-USD

    31.866,10
    -502,19 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    643,97
    -32,93 (-4,87%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.673,05
    +34,20 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.434,75
    -40,75 (-0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Carnival encara Covid com navio de capacidade para 6.500 pessoas

Fran Golden
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Na fria e escura Finlândia, em meio à pandemia, os trabalhadores do estaleiro de Meyer Turku empenhavam-se arduamente para colocar uma montanha-russa no topo de um navio de cruzeiro - uma inovação mundial. Outros estavam instalando uma cervejaria que poderia produzir cervejas artesanais com água do mar filtrada, destinada a um surpreendente público a bordo de até 6.500 passageiros.

Mardi Gras, o maior “Fun Ship” da Carnival Cruise Lines de todos os tempos, está pronto para zarpar. É claro que passarão meses antes que o primeiro viajante pise a bordo. Há muitas dúvidas sobre quando os Centros de Controle e Prevenção de Doenças suspenderão suas ordens de proibição de embarque e permitam que os navios retomem - ou no caso do Mardi Gras, comecem - as operações.

A Carnival está planejando a estreia para abril, com roteiros de uma semana pelo Caribe. Mas, para isso, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças exigem que todos os navios se inscrevam para certificações ainda não determinadas e realizem cruzeiros de teste para provar a prontidão para a pandemia. Há também o problema de fechamentos persistentes de fronteiras e o fato de que praticamente nenhum navio que saiu de seu porto conseguiu voltar sem um caso confirmado de Covid-19 a bordo — ou pelo menos sem um bom susto.

Além da montanha-russa do convés superior, o navio de US$ 950 milhões e 180.000 toneladas - 1,5 vezes o tamanho do próximo maior navio da Carnival - tem dois teatros, cinco toboáguas, uma tirolesa e um Fiat 1972 estacionado estrategicamente para fins de pose no Instagram em uma “piazza” interna.

O Mardi Gras também será o primeiro navio de cruzeiro na América do Norte a operar com gás natural liquefeito, o que elimina até 20% das emissões de carbono, em comparação com o óleo diesel marítimo.

Até agora, os planos à prova de pandemia do navio incluem um centro médico de última geração - o maior da frota da Carnival. Mas os hóspedes que procuram detalhes sobre precauções adicionais descobrirão que ainda não há muitas informações concretas disponíveis. Em vez disso, a empresa está se concentrando em sinos e apitos. Destes, existem muitos.

Colocando uma montanha-russa em um navio

Ben Clement, vice-presidente sênior da Carnival e responsável pela construção naval que ajudou a criar a ideia, não queria o barulho e a vibração típicos de montanha-russa num navio. Então ele encontrou a Maurer Rides, uma empresa alemã com sistemas autopropelidos exclusivos para tornar as montanhas-russas praticamente inaudíveis. “Em vez de trabalhar com correntes e plataformas, ela usa um motor elétrico em uma pista”, explica Clement. “Era muito mais silencioso do que qualquer outra coisa que tínhamos visto e tinha uma grande aceleração - e era seguro e leve o suficiente para ser colocado no topo do navio.”

Espalhando as multidões

Com até 6.500 convidados a bordo, encontrar uma maneira de espalhar as multidões sempre será uma das principais preocupações do Mardi Gras. Na era da Covid-19, essa lógica ganha relevância adicional. O design, elaborado há cinco anos, apresenta seis “zonas” temáticas. Nunca teve que ser repensado para o distanciamento social.

Dispersos pelas áreas públicas estão dezenas de restaurantes e bares, incluindo uma área ao ar livre chamada de Street Eats, destinada a evocar um festival de food truck, com quiosques ao ar livre. “Não queríamos food service com longas filas”, diz Clement sobre a decisão de oferecer tantos estabelecimentos diferentes.

E quanto ao nome? É uma homenagem. O primeiro navio da história da Carnival foi o TSS Mardi Gras, para 1.240 passageiros, que saiu de Miami em 1972 e bateu em um banco de areia, onde ficou preso na vista da cidade. Uma manchete de jornal de primeira página chamou o acontecimento de “Mardi Gras on the Rocks”. A Carnival espera que a montanha-russa seja o centro das conversas desta vez.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.