Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.088,64
    +112,43 (+0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,20 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4979
    +0,0325 (+0,59%)
     

Carne bovina faz preço do prato feito disparar no Brasil

Carne bovina faz preço do prato feito disparar no Brasil
Carne bovina faz preço do prato feito disparar no Brasil
  • O preço médio do prato feito subiu 23% nos últimos 12 meses;

  • Em nenhuma das 10 capitais brasileiras pesquisadas, o preço do popular PF acompanhou os 11,3% do IPCA;

  • Em Porto Alegre, o preço do prato feito subiu 34%.

O impacto gerado pela inflação dos insumos alimentares, em especial da carne bovina, fez o preço médio do prato feito subir 23% nos últimos 12 meses. Para realizar o estudo, a economista Marcela Kawauti, da Prada Assessoria, considera os valores do arroz, feijão, bife, batata frita e salada de alface e tomate, temperos e gás de cozinha aplicados em território nacional.

Em nenhuma das 10 capitais brasileiras pesquisadas, o preço do popular PF acompanhou os 11,3% da inflação geral, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preço ao Consumidor Amplo), no período. A cidade que mais se aproximou do índice foi Belém, com o prato feito custando 15% a mais do que há um ano. Já em Porto Alegre, os consumidores estão gastando 3 vezes mais para ter acesso ao conjunto de alimentos.

Confira o ranking completo da inflação do prato feito no país, acumulada no último 12 meses:

  1. Porto alegre (RS) - 34%

  2. Vitória (ES) - 33%

  3. Belo Horizonte (MG) - 29%

  4. Rio de Janeiro (RJ) - 26%

  5. Curitiba (PR) - 25%

  6. São Paulo (SP) - 23%

  7. Recife (PE) - 23%

  8. Salvador (BA) - 21%

  9. Fortaleza (CE) - 21%

  10. Belém (PA) - 15%

Segundo informação do Estado de Minas, em pesquisa realizada pelo Mercado Mineiro e o aplicativo comOferta, em Belo Horizonte e na Região Metropolitana, o PF é vendido entre R$ 15,99 e R$ 48, uma variável de 336%. A refeição combinada registrou um aumento de 1,6% no preço em março.

Os donos de restaurantes nas localidades foram perguntados sobre a constituição do preço cobrado por um prato feito e apontaram que a carne é a principal responsável pela alta nos preços.

"O pior é que não dá para isolar o problema. Subiu tudo! Tirar a carne é só um paliativo porque ela é mais cara em relação aos demais ingredientes", finaliza Marcela Kawauti.

Preço do almoço por quilo também aumentou no país

Um levantamento do Procon demonstrou que o almoço por quilo, tradicional em todo território brasileiro, ficou 13% mais caro nestes últimos anos. O órgão ainda informou que o preço pode ficar ainda mais caro nos próximos meses.

De acordo com a pesquisa, em janeiro de 2020 o quilo custava em média R$ 56,01, enquanto em fevereiro deste ano o preço médio é de R$ 63,39. No entanto, ao comparar fevereiro de 2022 com outubro de 2021 vemos um aumento menor, de R$ 63,03 para os R$ 63,39.

Isto quer dizer que a maior parte da elevação dos preços ocorreu antes de outubro. Segundo especialistas, um dos motivos para o aumento foi a alta do gás de cozinha, ingrediente essencial no preparo dos alimentos. Nos últimos 12 meses, entre março de 2021 e março de 2022, o GLP teve um aumento de 23,2%.