Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    45.335,32
    -1.234,24 (-2,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Carlos Menem, ex-presidente da Argentina, morre aos 90 anos

Colaboradores Yahoo Notícias
·1 minuto de leitura
BUENOS AIRES, ARGENTINA - MARCH 01: Former President Carlos Menem looks on during the opening session of the 138th period of the Argentine Congress on March 01, 2020 in Buenos Aires, Argentina. (Photo by Ricardo Ceppi/Getty Images)

Carlos Menem, ex-presidente da Argentina, morreu neste domingo (14), aos 90 anos. Uma grave pneumonia diagnosticada em 13 de junho, agravada pela diabetes, afetou seriamente a saúde do político, que atualmente ocupava o cargo de senador pela província de La Rioja.

Menem esteve internado no Instituto Argentino de Diagnóstico (IADT). Depois foi transferido para o Sanatório Los Arcos, para ser submetido a um exame de próstata, mas foi diagnosticado com uma infecção urinária que complicou seus problemas cardíacos.

Leia também

Na véspera de Natal, o ex-presidente apresentou insuficiência renal e ficou internado em coma. Chegou a se recuperar, mas acabou morrendo nesta mesma clínica.

O presidente Alberto Fernández lamentou a morte de Carlos Menem em suas redes sociais: “Com profundo pesar soube da morte de Carlos Saúl Menem. Sempre eleito pela democracia, foi governador de La Rioja, presidente da nação e senador nacional. Durante a ditadura, foi perseguido e preso. Todo o meu carinho para Zulema [ex-mulher], Zulemita [filha] e todos aqueles que o choram hoje”.

Menem governou a Argentina entre 1989 e 1999, maior período ocupado por um presidente de forma ininterrupta. Com um programa neoliberal, priorizou as privatizações e importações que distanciaram o país da doutrina estatista e industrial histórica do peronismo do Partido Justicialista.

Durante sua gestão, estabeleceu a taxa de câmbio de 1 peso igual a 1 dólar, o que mais tarde culminou num grave crise no país, em 2001.