Mercado fechado

Cargill amplia meta de corte de emissões na próxima década

Agnieszka de Sousa

(Bloomberg) -- A Cargill, gigante do agronegócio, decidiu ampliar seu compromisso de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em meio às críticas ao papel da agricultura nas mudanças climáticas.

A maior empresa privada dos EUA pretende cortar as emissões de suas cadeias de fornecedores globais em 30% até 2030, segundo comunicado divulgado na terça-feira. A empresa já tinha como meta reduzir as emissões em pelo menos 10% até 2025.

A agricultura é responsável por cerca de 25% das emissões globais de gases de efeito estufa, provocadas em grande parte pela atividade pecuária. Agricultores, pecuaristas e empresas do agronegócio enfrentaram pressão de grupos ambientais para reforçarem medidas para proteger o planeta.

“Sem ações ousadas e decisivas de todos os envolvidos na produção de alimentos, as mudanças climáticas desestabilizarão o sistema alimentar”, disse Dave MacLennan, presidente da Cargill. “A agricultura é o modo pelo qual mitigaremos as mudanças climáticas, regeneraremos nossos solos e melhoraremos o uso da água, enquanto nutrimos o mundo de uma maneira mais sustentável.”

A Cargill, com sede em Minneapolis, foi criticada por grupos ambientalistas por seu histórico de desmatamento em meio ao maior escrutínio do impacto do setor no meio ambiente. Em outubro, ativistas dos direitos dos animais invadiram os escritórios de Londres do hedge fund de crédito CarVal Investors para protestar contra as práticas ambientais da Cargill.

A Cargill planeja se concentrar em limitar o impacto climático de suas operações de carne bovina por meio de programas de gerenciamento da pastagem, produção de ração e redução de desperdício de alimentos, disse o documento. Também terá como objetivo melhorar a saúde do solo e reduzir sua pegada de carbono no transporte marítimo.

Repórter da matéria original: Agnieszka de Sousa em Londres, atroszkiewic@bloomberg.net

Para entrar em contato com os editores responsáveis: Lynn Thomasson, lthomasson@bloomberg.net, Nicholas Larkin, Reed Landberg

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

©2019 Bloomberg L.P.