Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.366,71
    +1.424,95 (+3,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Carga de energia deve crescer 2% em fevereiro com calor e indústria, diz ONS

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A demanda por energia no Brasil deve fechar fevereiro com aumento de 2% na comparação com mesmo mês do ano passado, em meio a uma trajetória de recuperação do setor industrial e altas temperaturas, disse nesta sexta-feira o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

O órgão projetou que a carga de energia atingirá 72.693 megawatts médios neste mês, segundo relatório, reduzindo levemente estimativa anterior de avanço de 1,9%.

No Sudeste/Centro-Oeste, principal polo econômico do país, a carga deve crescer 3,2% ano a ano, contra alta de 2,7% vista pelo ONS na semana anterior, liderando o desempenho por regiões.

Já a região Sul deve ser a única com retração, de 0,1%, versus estimativa anterior de aumento de 0,7%.

O ONS ainda elevou ligeiramente a previsão de chuvas na região das hidrelétricas do Sudeste em fevereiro, para 72% da média histórica, de 68% na semana anterior, mas ainda abaixo do que seria comum para essa época de ano, tradicionalmente de maiores precipitações na área das usinas.

No Sul, onde a expectativa prévia apontava para 194% da média, o ONS reduziu as projeções para 152%. A estimativa para o Nordeste ficou praticamente estável, em 31%.

(Por Luciano Costa)