Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.603,47
    +1.604,91 (+2,82%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Carga de energia do Brasil deve saltar 12% na comparação anual em maio, prevê ONS

·2 minuto de leitura
FILE PHOTO: Electric power cables are seen near an Energias de Portugal (EDP) power plant on the outskirts of Carregado

SÃO PAULO (Reuters) - A carga de energia do sistema elétrico interligado do Brasil deve ter em maio salto de 12,3% ante mesmo período de 2020, quando o país registrava maiores índices de isolamento social em meio a medidas restritivas associadas à pandemia, projetou o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) nesta sexta-feira.

Em boletim com as primeiras previsões para o próximo mês, o ONS apontou que o Sudeste e o Sul, duas regiões de maior demanda, devem ver avanço de 12,1% na carga, mesmo em meio a números de casos de Covid-19 e mortes superiores neste ano.

O maior crescimento na demanda por energia é previsto para o Norte do país, com alta de 13,8% frente a maio de 2020, enquanto no Nordeste a expectativa é de elevação de 12,7%, segundo o órgão do setor de energia.

Em maio do ano passado, a carga elétrica desabou 10,2% na comparação com 2019, diante de medidas duras de isolamento adotadas por Estados e municípios. Em abril, primeiro mês inteiramente sob restrições, a queda havia sido de 11,6%.

CHUVAS, TÉRMICAS

As chuvas na região das hidrelétricas, principal fonte de energia do Brasil, devem ficar em 63% da média histórica para o mês de maio na região Sudeste, onde estão os maiores reservatórios, com o fim do período tradicionalmente de chuvas, que geralmente vai de novembro a março.

Já o Nordeste, segundo em capacidade de armazenamento nas usinas hídricas, deve receber precipitações em 39% da média no próximo mês, enquanto no Sul elas foram estimadas em apenas 26%.

O ONS apontou ainda que o acionamento de termelétricas para complementar o atendimento à demanda está estimado em 4,45 gigawatts médios para a próxima semana, ante 4,7 gigawatts previstos antes para esta semana.

(Por Luciano Costa)