Mercado abrirá em 1 h 2 min
  • BOVESPA

    112.291,59
    +413,06 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.934,21
    +259,38 (+0,59%)
     
  • PETROLEO CRU

    46,17
    +0,53 (+1,16%)
     
  • OURO

    1.843,60
    +2,50 (+0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.030,79
    -226,79 (-1,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    373,55
    -0,86 (-0,23%)
     
  • S&P500

    3.666,72
    -2,29 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    29.969,52
    +85,73 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.539,59
    +49,32 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    26.835,92
    +107,42 (+0,40%)
     
  • NIKKEI

    26.751,24
    -58,13 (-0,22%)
     
  • NASDAQ

    12.507,00
    +44,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2534
    +0,0174 (+0,28%)
     

"Cares alunes": colégio no Rio anuncia adoção de linguagem neutra

Redação Notícias
·2 minuto de leitura
Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

O Colégio Franco-Brasileiro, instituição particular que fica na zona sul do Rio de Janeiro, irá adotar a linguagem neutra de gênero para espaços formais e informais que envolvam alunos. O comunicado foi enviado a pais e à comunidade escolar e viralizou nas redes sociais.

"Renovando diariamente nosso compromisso com a promoção do respeito à diversidade e da valorização das diferenças no ambiente escolas, tornamos público o suporte institucional à adoção de estratégias gramaticais de neutralização de gênero em nossos espaços formais e informais de aprendizagem”, afirma o comunicado.

Leia também

A escola emitiu comunicado após a decisão ter sido compartilhada por pais e alunos e ter repercutido nas redes sociais. O tema é bastante polêmico e costuma gerar muita discussão ao opor alas mais progressistas e alas mais conservadoras da sociedade.

Ainda de acordo com o Franco-Brasileiro, o corpo docente do colégio não será em nenhum momento obrigado a utilizar a linguagem neutra no trato com os alunos. A linguagem neutra é uma forma de acolher pessoas que não se identificam com nenhum dos sexos, conhecidas como não-binárias. Para isso, o “e”, o “x” ou “@“ são utilizados para eliminar o gênero de palavras.

Por exemplo, a palavra “menino” é escrita “menine” e pronunciada da mesma forma. Alguns outros colégios pelo Brasil já adotaram a prática, defendida pela ala mais progressista de parlamentares do Congresso e inclusive já defendida pela própria Organização das Nações Unidas (ONU).

Colégio tem histórico progressista

O fim da utilização dos gêneros binários na escrita e na fala não é a primeira atitude de cunho mais progressista do colégio. Em seu site, afirma que possui um Comitê de Diversidade e Inclusão que tem como objetivo

"propor discussões e políticas internas sobre questões relativas às temáticas das relações étnico-raciais, gênero, sexualidade, pessoas com deficiência e voluntariado. A iniciativa busca intensificar a reflexão acerca desses temas a partir de perspectivas diversas: sociocultural, histórica, educacional e política”.

Leia o comunicado do Colégio Franco-Brasileiro na íntegra:

Reprodução
Reprodução