Mercado fechará em 5 h 33 min
  • BOVESPA

    112.015,64
    -1.797,23 (-1,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.500,17
    -229,63 (-0,47%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,65
    +0,15 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.765,00
    -6,20 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    21.430,26
    -2.049,46 (-8,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    508,66
    -32,94 (-6,08%)
     
  • S&P500

    4.234,94
    -48,80 (-1,14%)
     
  • DOW JONES

    33.747,39
    -251,65 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.552,33
    +10,48 (+0,14%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,81 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.304,00
    -219,25 (-1,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2111
    -0,0027 (-0,05%)
     

Capital de giro é insuficiente para 51% das pequenas indústrias de SP

*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 10.04.2013: Joseph Couri, presidente do Simpi. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)
*Arquivo* SÃO PAULO, SP, 10.04.2013: Joseph Couri, presidente do Simpi. (Foto: Marlene Bergamo/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A parcela de empresas com capital de giro insuficiente para fechar o mês cresceu de 41% em abril para 51% em maio, segundo indicador elaborado pelo Simpi-SP (Sindicato da Micro e Pequena Indústria do Estado de São Paulo) em conjunto com o Datafolha.

Esse é o maior patamar desde abril de 2021. Há ainda 39% de empresas com capital de giro na medida exata de suas necessidades e 10% com valor mais do que o suficiente para fechar o mês.

De acordo com a pesquisa, 40% das empresas apontam a taxa de juros como principal dificuldade para a tomada de empréstimos, e 28% veem a falta de linhas de crédito adequadas ao porte da empresa como principal obstáculo.

Em maio, 12% das indústrias fizeram consulta para tomada de empréstimo. Destas, 21% tiveram sucesso, e 70% receberam resposta negativa.

Joseph Couri, presidente do Simpi-SP, afirma que, além da elevação do custo de crédito, as empresas enfrentam dificuldades relacionadas ao custo da produção. Segundo a pesquisa, 79% citam problemas com preços de matérias-primas e insumos nos 15 dias anteriores ao levantamento.

A pesquisa foi realizada por telefone, de 9 a 30 de maio, com empresas no Estado de São Paulo.

"O aumento da inflação faz com que as empresas precisem de mais capital de giro para produzir o mesmo volume, pegando um dinheiro cada vez mais caro e cada vez mais seletivo, até pelo risco de inadimplência", afirma Joseph Couri, presidente do Simpi-SP.

Segundo ele, a última linha do governo federal para as empresas de menor porte foi o Pronampe (Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte), que deve ser retomado no final de julho.

O Pronampe foi criado em 2020 para apoiar micro e pequenas empresas afetadas pela pandemia do novo coronavírus. Inicialmente temporário, o programa tornou-se permanente e virou uma das apostas do governo Bolsonaro para estimular a economia. Na nova fase, passou a incluir os MEIs (Microempreendedores Individuais).

"O problema é saber se isso realmente vai chegar na ponta. Esperamos que sim", afirma Couri. "[Em 2020], apenas 7% das empresas tiveram acesso à linha."

Ainda de acordo com o levantamento, 38% dos empresários avaliam a situação da economia brasileira como ruim ou péssima, 37%, como regular, e para 24% a situação é ótima ou boa.

Para os próximos meses, 63% afirmam que a inflação vai aumentar e 8% preveem queda. Cerca de metade (49%) avalia que o desemprego ficará estável, 22% esperam queda e 28%, elevação

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos