Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    61.156,68
    +40,32 (+0,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6872
    -0,0339 (-0,50%)
     

Capitais registram panelaços em protesto contra Bolsonaro após novo recorde de mortes por covid

Filipe Vidon
·1 minuto de leitura

Várias cidades pelo Brasil registraram panelaços contra o presidente Jair Bolsonaro na noite desta quarta-feira. No pior momento da pandemia, as manifestações aconteceram no dia em que o país bateu mais um recorde de mortes por Covid-19: foram 1.840 óbitos contabilizados em 24 horas, segundo as secretarias estaduais de saúde. Um pronunciamento do presidente em cadeia nacional de televisão e rádio era esperado para o horário em que começaram os protestos, às 20h30, mas o discurso foi cancelado.

No Rio de Janeiro, vídeos postados em redes sociais registraram o momento em que o panelaço começou em bairros como Laranjeiras, Leblon, Copacabana, Botafogo e Humaitá, bairros da Zona Sul da cidade. Além das panelas, manifestantes também gritaram palavras de ordem contra Bolsonaro.

Na capital paulista também foram registrados panelaços em vários bairros como Higienópolis e Santa Cecília, região central; Jardins, Paraíso e Moema, na Zona Sul; Barra Funda e Pinheiros, na Zona Oeste. Em alguns lugares, além de bater panelas, moradores também gritavam "Fora, Bolsonaro".

No decorrer do dia, grupos que fazem oposição ao presidente convocaram a população a participar do ato. Houve manifestações nas redes sociais da Central Única dos Trabalhadores (CUT), da Frente Brasil Sem Medo, ligados à esquerda, e do Movimento Vem Pra Rua, mais identificado com a direita.

A deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP) compartilhou nas redes sociais um vídeo mostrando as manifestações em São Paulo e provocou o presidente: “Bolsonaro fugiu do pronunciamento, mas não pode fugir da indignação dos brasileiros”.