Mercado abrirá em 7 h 29 min

Carlo Acutis: capela onde teria acontecido milagre inaugura altar com vestes, parte de corpo e até cabelo do beato

·2 minutos de leitura
Menino que teria recebido milagre na inauguração do altar para beato em Mato Grosso do Sul - Foto: Marcelo Tenório/Arquivo Pessoal/Reprodução G1
Menino que teria recebido milagre na inauguração do altar para beato em Mato Grosso do Sul - Foto: Marcelo Tenório/Arquivo Pessoal/Reprodução G1

A Capela Nossa Senhora Aparecida, em Campo Grande (MS), onde teria acontecido o milagre envolvendo uma criança e o beato Carlo Acutis, inaugurou um altar com vestes, cabelos e até parte do corpo dele.

"É uma relíquia de primeiro grau, com parte de suas vestes, cabelos e de seu corpo, em tamanho pequeno e bem discreto, algo que foi cedido pela mãe do Carlo. Houve a inauguração do altar e também o encerramento da festa de Nossa Senhora Aparecida, com a primeira festa litúrgica de Carlo Acutis, que será a cada dia 12 de outubro, que é a data da morte dele e também o dia em que o milagre ocorreu", afirmou o Padre Marcelo Tenório, responsável pelo local, ao G1.

Leia também

Segundo o padre, muitos fieis vinham procurando um local para venerar o jovem. Agora, com a capela, eles tem oportunidade de fazer isso qualquer dia da semana.

"Nós temos recebido o triplo do número de fieis e estou extremamente feliz por isso. A intenção agora é continuar trabalhando para a canonização do Carlo", projetou o padre.

No último final de semana, a família do estudante Matheus Lins Vianna, de 10 anos, seguiu de perto o processo de beatificação de Carlos Acutis. Não foi possível ir à Itália devido à pandemia do novo coronavírus, porém eles participaram de uma missa em homenagem ao beato e também assistiram ao evento que aconteceu na cidade italiana de Assis.

"Estou muito, muito feliz pelo meu amigo mora no céu", disse o garoto que, segundo a mãe Luciana Vianna, está surpreso com o grande número de pessoas que passaram a procurar sua família para falar sobre o milagre.

Ao G1, a mãe confirma que o próprio médico que atendia Matheus, depois de inúmeras consultas, utilizou o termo “milagre” para definir o episódio.

“Ele disse que procurou cortes no pâncreas, para ver se ele tinha passado por alguma cirurgia, mas, não achou nenhum corte. Ele disse que olhou em tudo quanto é canto, fez ultrassom, mas, estava anatomicamente perfeito e se convenceu de um milagre", relembrou a mãe, que se prepara para comemorar sete anos da cura de seu filho.

O milagre reconhecido pelo Vaticano teria acontecido em 2010. Na época, Tenório comandava a paróquia e realizava missas, sempre no dia 12 de outubro, com uma relíquia do italiano Carlo Acutis.

Assíduo na igreja, o avô de Matheus levou o garoto doente até a paróquia. Lá, segundo a família, o menino foi curado ao tocar na roupa com sangue de Carlo Acutis.