Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.941,68
    +51,80 (+0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.463,55
    +320,55 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    115,07
    +0,98 (+0,86%)
     
  • OURO

    1.857,30
    +3,40 (+0,18%)
     
  • BTC-USD

    28.775,17
    -283,55 (-0,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    625,79
    -3,71 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.158,24
    +100,40 (+2,47%)
     
  • DOW JONES

    33.212,96
    +575,77 (+1,76%)
     
  • FTSE

    7.585,46
    +20,54 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    20.697,36
    +581,16 (+2,89%)
     
  • NIKKEI

    26.781,68
    +176,84 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    12.717,50
    +438,25 (+3,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0751
    -0,0429 (-0,84%)
     

Caoa Chery volta atrás e suspende demissão de funcionários

Cinco dias depois de anunciar que fecharia a fábrica em Jacareí, interior de São Paulo e demitiria praticamente todos os funcionários da planta, a Caoa Chery voltou atrás. Após nova reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos e região, a montadora sino-brasileira mudou de ideia.

A empresa resolveu aceitar a proposta levada à mesa dos executivos pelos representantes do sindicato. Nela, constava a sugestão de cinco meses de lay-off a partir de 1º de junho e mais três meses de estabilidade aos funcionários. Depois do aceite, ficou definido que os 480 funcionários seguirão empregados ao menos até janeiro de 2023.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, durante o período acordado, todos os trabalhadores receberão seus salários na íntegra e continuarão com planos de saúde. Paralelamente a isso, o órgão já protocolou uma proposta de projeto de lei na Câmara Municipal de Jacareí para proibir o fechamento da montadora.

Caoa Chery quer importar o Arrizo 6 e o 6 Pro, mas sindicato luta para mantê-los fabricados no Brasil (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)
Caoa Chery quer importar o Arrizo 6 e o 6 Pro, mas sindicato luta para mantê-los fabricados no Brasil (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

De acordo com dados levantados pelo Ilaese (Instituto Latino-americano de Estudos Socioeconômicos), caso a Caoa Chery concretize as demissões em janeiro, isso resultará na perda de R$ 53 milhões em massa salarial circulando na cidade. No recorte voltado ao setor de autopeças, o impacto deve ser de R$ 37 milhões.

Arrizo e Arrizo 6 Pro nacionais: a próxima luta

Depois de conseguir reverter, ao menos momentaneamente, as demissões em massa na planta da Caoa Chery em Jacareí, o sindicato local tem uma nova missão em mente: fazer a montadora voltar atrás na decisão de não fabricar mais o Arrizo e o Arrizo 6 Pro no Brasil. A Caoa Chery confirmou que ambos os modelos do sedan seguirão à venda no Brasil, mas, de agora em diante, serão importados da China, fato que certamente fará a espera por eles demorar um pouquinho mais.

Weller Gonçalves, presidente do órgão, prometeu fazer de tudo para que a montadora permaneça em Jacareí, de preferência mantendo os modelos que hoje são produzidos por lá — exceto o Tiggo 3X Pro, que foi tirado de linha. “A suspensão das demissões foi uma grande vitória. Agora vamos dar um novo passo e exigir a permanência da Caoa Chery em Jacareí”, avisou.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos